Rondônia, - 08:47

 

Você está no caderno - Notícias da Justiça e do Direito
Energisa é condenada a indenizar consumidora
Energisa é condenada a indenizar consumidora que foi acusada injustamente de praticar ‘gato’
“A perícia realizada em medidor de energia elétrica não é suficiente para, isoladamente, justificar a recuperação de consumo, mormente
Publicado Sábado, 11 de Setembro de 2021, às 14:21 | Fonte da Redação 0

 
 

Divulgação

A Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba condenou a Energisa Paraíba – Distribuidora de Energia S/A a pagar a quantia de R$ 6 mil, a título de dano moral, a uma consumidora. em razão de não ter sido comprovada a sua responsabilidade pela suposta fraude em medidor de energia elétrica.

 

“A perícia realizada em medidor de energia elétrica não é suficiente para, isoladamente, justificar a recuperação de consumo, mormente por não ter a autora sido comunicada a respeito de sua realização, bem como por não haver prova de que a suposta irregularidade foi causada por esta”, afirmou o relator do processo nº 0000887-14.2013.8.15.0461, Desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos.

 

Alega a consumidora que no dia 18/01/2012 foi feita uma inspeção na instalação elétrica da sua residência e, em maio do mesmo ano, recebeu uma carta de que foi apurada uma “anormalidade que provocou faturamento inferior ao correto”, durante um período de 27 meses, impondo-lhe o pagamento de valores por suposto consumo não registrado. Afirmou que não tinha conhecimento da irregularidade e, se realmente havia distorção no aparelho, não foi causada pela autora. Relatou, ainda, que por receio à ameaça de suspensão do fornecimento de energia elétrica, firmou acordo para parcelar o débito, já que não tinha condições de pagá-lo à vista.

 

Na Primeira Instância, foi julgado em parte o pedido inicial, para declarar a desconstituição do débito e condenar a Energisa ao pagamento em dobro dos valores cobrados e pagos indevidamente relativos à referida cobrança, acrescidos de juros de mora desde a citação e correção monetária. Houve recurso de ambas as partes.

 

Ao examinar o caso, o relator entendeu que não havendo elementos que demonstrem a suposta fraude por parte da consumidora, resta caracterizado o dano moral. “Deveras, não comprovada a conduta fraudulenta atribuída à usuária do serviço, resta caracterizada a responsabilidade extrapatrimonial da concessionária, já que a conduta abusiva em tela configura dano moral in re ipsa, dando ensejo à reparação, cujo valor arbitro em R$ 6.000,00, por atender aos critérios de proporcionalidade e razoabilidade, considerando as condições do ofensor e do ofendido, o bem jurídico lesado e a repercussão da ofensa, bem como para o caráter pedagógico/punitivo da medida”, pontuou.

 

Da decisão cabe recurso.

Paraíba Agora



Veja também em Notícias da Justiça e do Direito


Setembro Amarelo: Transtornos mentais em adolescentes e no mundo pós pandemia será tema de live no próximo dia 23
...


Vilhena: Foragido há mais de 20 anos, homem que matou cunhado enfim é julgado e condenado
Réu estava foragido há mais de 20 anos e foi condenado a mais de sete anos de prisão...


Justiça mantém condenação contra JBS em Rondônia
Os desembargadores também mantiveram a condenação que obriga o pagamento mensal de pensão alimentícia à família. ...


Estado é condenado a pagar 80 mil reais de indenização por compressa esquecida dentro da barriga de paciente no João Paulo II
A viúva ingressou com ação, pois, o objeto esquecido após cirurgia no abdômen da vítima foi a causa da morte, segundo o laudo pericial...

 
      

2021 - ARIQUEMES ONLINE - Informação Sem fronteiras
© 2007 - 2021 • Ernesto & Eugenio Comunicação

E-mail: [email protected]
Fone: (69) 9 9967-8787 (WhatsApp)
Ariquemes - Rondônia - Brasil

Política de privacidade e uso





 

 
 
 
Ariquemes Online