Rondônia, - 17:07

 

Você está no caderno - Rondônia
Prisão de Márcio Lobão
Política & Cia: Prisão de Márcio Lobão deixa Raupp preocupado
Filho do ex-senador e ex-ministro Edson Lobão foi preso na manhã desta terça-feira em Alagoas
Publicado Terça-Feira, 10 de Setembro de 2019, às 18:36 | Fonte Diário da Amazônia 0

 
 

Divulgação/ Internet

A prisão na manhã de hoje, 10, de Márcio Lobão, filho do ex-senador Edison Lobão, do Maranhão, na 65ª fase da Operação Lava Jato, deixa o ex-senador rondoniense Valdir Raupp mais uma vez ouriçado. Raupp é um dos investigados pela Lava jato, num esquema de financiamento irregular de campanha do MDB através de recursos de empreiteiras. Dizem à boca pequena, que a cada prisão de aliado, e já foram muitos, Valdir Raupp entra em desespero e passa a acordar todo dia antes das 6 da manhã, pra não assusta a vizinhança.

O motivo

Em 2017, o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou a denúncia do então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o senador do PMDB de Rondônia, Valdir Raupp, que virou réu na Lava Jato. O senador é acusado de lavagem de dinheiro e corrupção. De acordo com o Ministério Público Federal, ele recebeu R$ 500 mil da construtora Queiroz Galvão, durante a campanha ao Senado em 2010.

Apenas um

Embora as viúvas de Raupp insistam em dizer que o STF já mandou arquivar o processo do ex-senador rondoniense, vale lembrar que o que foi arquivado pelo Ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal ( STF ), foi um  inquérito da Operação Lava-Jato, onde ele era acusado de intermediar um negócio entre a Petrobras e a empresa Brasília Guaíba, quando teria recebido propina em troca. Na época a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, entendeu não haver provas contra o parlamentar, corroborando as conclusões de um relatório da Polícia Federal ( PF ). Assim, pediu o arquivamento. Raupp, porém, responde a mais uma ação penal e sete inquéritos no STF, a maior parte no âmbito da Lava-Jato e seus desdobramentos.

Quadrilhão do MDB

O então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou em setembro de 2017 ao Supremo Tribunal Federal sete membros do PMDB por integrarem organização criminosa que desviou recursos públicos e obteve vantagens indevidas, sobretudo no âmbito da administração pública e do Senado Federal. Os denunciados Edison Lobão, Jader Barbalho, Renan Calheiros, José Sarney, Sérgio Machado, Romero Jucá e Valdir Raupp são acusados de receberem propina de R$ 864 milhões e gerarem prejuízo de R$ 5,5 bilhões aos cofres da Petrobras e de R$ 113 milhões aos da Transpetro. Esta é a 34ª denúncia oferecida pela PGR no âmbito da Operação Lava Jato no STF.

Bloqueio de bens

Em dezembro do ano passado a força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba abriu uma ação de improbidade administrativa e pediu o bloqueio de bens dos diretórios nacionais do PSB e MDB, dos senadores Valdir Raupp (MDB-RO) e Fernando Bezerra (PSB-PE) e do deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE). Também foram alvos do pedido da Operação Lava Jato os espólios do ex-senador e ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra, e do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, que concorreu à Presidência pelo PSB. Ambos morreram em 2014.

Muito dinheiro

A força-tarefa pediu o bloqueio provisório de pelo menos R$ 100 milhões de cada um, a fim de ressarcir a Petrobras por desvios em contratos. No caso do MDB, o valor é de até R$ 1,89 bilhão. O valor total cobrado pela ação, entre ressarcimento, multas e danos morais, chega a R$ 3 bilhões.

Destaque

De acordo os procuradores, os senadores Raupp e Bezerra atuavam em nome do MDB e do PSB, e tiveram “atuação destacada” no esquema ao favorecer um cartel de empreiteiras na Petrobras, em troca do pagamento de propinas aos partidos. O MDB teria recebido pelo menos R$ 108 milhões em propina, e o PSB (incluindo o ex-governador Eduardo Campos), R$ 40 milhões.

Costas largas

Segundo a ação, Raupp foi responsável por manter Paulo Roberto Costa no cargo de diretor de Abastecimento da Petrobras, dando prosseguimento ao esquema de corrupção político-partidário instaurado no âmbito da estatal.

Na berlinda

De acordo com o colunista Alan Alex, o ministro Edson Fachin  (STF) pretendia levar à julgamento, ainda no primeiro semestre deste ano, três ações penais na Segunda Turma, e uma delas era a do ex-senador de Rondônia, Valdir Raupp de Mattos (MDB), acusado de receber R$ 500 mil da construtora Queiroz Galvão em 2010 como doação de campanha. Um dos delatores afirmou aos investigadores da Lava-Jato que o dinheiro na verdade seria uma “propina”. Como não aconteceu no primeiro semestre a expectativa é de que aconteça até o fim deste ano ainda. O ex-senador afirma que a doação foi legal, foi declarada e que tudo não passa de invenção por parte do delator.









Veja também em Rondônia


Seduc abre processo seletivo com 150 vagas para estágio em RO
Inscrições vão até o dia 30 de setembro e podem ser feitas pela internet. Selecionados vão atuar em escolas e unidades administrativas da secretaria...


Leilão arrecada quase R$ 1 milhão para o Hospital de Amor de RO
A solidariedade mais uma vez ficou evidenciada na população de Ariquemes, durante a 11ª edição do Leilão Direito de Viver, realizada.. ...


TJ/RO mantém condenação de trio denuncista da UNIR que espalhou mentiras sobre ex-reitora
Na apelação, os ofensores esqueceram de solicitar a diminuição do valor indenizatório como pedido alternativo, e, por conta disso, os desembargadores mantiveram o patamar estipulado em primeiro grau ...


Exigência de simulador para obter CNH deixa de valer no País
Medida está na Resolução 778, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que define mudanças no processo de formação de motoristas ...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News