Rondônia, - 18:23

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
Internacional
Grécia e UE ignoraram deliberadamente refugiados nas ilhas do Mar Egeu, acusa Médicos sem Fronteiras
De acordo com a organização não-governamental, os mais de 20 mil refugiados retidos nas ilhas do Mar Egeu foram ignorados de propósito para evitar um efeito de atração
Publicado Sexta-Feira, 6 de Setembro de 2019, às 11:25 | Fonte Expresso - Portugal 0

 
 

ANADOLU AGENCY/GETTY IMAGES

A organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) acusou esta sexta-feira as autoridades gregas e europeias de ignoraram "deliberadamente" os mais de 20 mil refugiados retidos nas ilhas do Mar Egeu para evitar que haja um efeito de atração.

"Esta não é uma emergência nova: a grave sobrelotação nos 'hotspots' (centros de registo) é uma crise impulsionada por políticas que prejudicam milhares de homens, mulheres e crianças todos os dias durante anos. Assistimos a isso no passado e continuamos a ver hoje", explicou Tommaso Santo, coordenador-geral da MSF na Grécia.

A organização MSF também questionou se é legitimo concluir "que as autoridades gregas e europeias esperam confiar nessa falha vergonhosa do sistema de receção como uma forma de impedir que novos migrantes cheguem à UE [União Europeia]".
A MSF destacou a sobrelotação, a violência e a falta de segurança nos acampamentos salientando que são as crianças que mais sofrem, cuja saúde mental agrava-se.

"Há cada vez mais crianças que deixam de brincar, têm pesadelos, temem sair das suas tendas e começam a afastar-se da vida quotidiana. Algumas deixam completamente de falar", alertou Katrin Brubakk, responsável pelas atividades de saúde mental da MSF na ilha grega de Lesbos.

Segundo os Médicos Sem Fronteiras, em julho e agosto três crianças tentaram suicidar-se outras 17 automutilaram-se. Das 73 crianças encaminhadas nesse período para as clínicas da MSF com problemas de saúde mental, dez tinham menos de 6 anos.

Esta organização humanitária também realçou que na sua clínica pediátrica existem quase 100 crianças com condições médicas complexas ou crónicas, incluindo crianças com complicações cardíacas graves, diabetes e epilepsia, além de ferimentos causados pela guerra.

A MSF exigiu que o Governo grego e a UE retirassem urgentemente as crianças e as pessoas mais vulneráveis das ilhas e transferi-los "para um alojamento seguro e apropriado na Grécia continental e/ou noutros Estados europeus".

Os Médicos Sem Fronteiras pediram ainda que se coloque fim à atual política de contenção para proteger a dignidade das pessoas, evitar sofrimento desnecessário e garantir o respeito dos seus direitos fundamentais.

LUSA
 







Veja também em INTERNACIONAL


Legisladores de Nova York tentam proibir o teste de virgindade
A polêmica em torno do rapper americano T.I., que revelou fazer questão de acompanhar a filha Deyjah Harris, de 18 anos, ao ginecologista para......


Fogos matam mais de dois mil koalas e destroem 25% do seu habitat em estado australiano
Além da morte dos koalas, estima-se que os fogos em Nova Gales do Sul, no sudeste da Austrália, tenham destruído quase um terço do habitat destes animais naquele estado australiano ...


Coreia do Norte insulta Trump após comentário sobre relação com EUA
A Coreia do Norte voltou a insultar o presidente dos EUA, Donald Trump, chamando-o de ''velho errático e desatento'',.....


China diz que alunos de centros de detenção de Xinjiang se formaram
Uma autoridade da província chinesa de Xinjiang, no noroeste do país, disse hoje que todos os alunos de um polêmico programa aplicado......

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News