Rondônia, - 02:17

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
Internacional
Coreia do Sul acusa Japão de violar lei internacional
Governo japonês restringiu exportações de tecnologia
Publicado Sexta-Feira, 19 de Julho de 2019, às 11:22 | Fonte Agëncia Brasil 0

 
 

Foto: Jung Yeon-Je/Reuters

O escritório do presidente sul-coreano Moon Jae-in acusou o Japão hoje (19) de violar a lei internacional ao adotar há quase três semanas restrições unilaterais de exportação à Coreia do Sul de componentes sensíveis de tecnologia.

No início deste mês, o Japão impôs restrições mais severas à exportação de materiais de fabricação de chips para a Coréia do Sul

O gabinete sul-coreano informou que está considerando  “todas as opções” para responder às medidas japonesas, inclusive uma revisão no atual pacto de partilha de informações militares entre os dois países.

Kim Hyun-chong, vice-chefe do escritório de segurança nacional de Cheong Wa Dae (escritório do governo), contesta uma declaração do ministro do Exterior japonês, Taro Kono, de que os sul-coreanos não estejam cumprindo um tratado bilateral de 1965, violando a lei internacional.

A alegação do Japão é "simplesmente errada", disse Kim.

"Foi o Japão que inicialmente violou a lei internacional por um ato ilegal contra a humanidade na forma de trabalho forçado", disse ele.

Ele ressaltou que a Suprema Corte da Coréia do Sul havia decidido que o tratado não cobre a compensação pelo "crime desumano e violação dos direitos humanos" contra as vítimas coreanas que realizaram trabalho forçado em tempo de guerra.

Kim, que atua como vice-conselheiro nacional de segurança, disse que o governo não pode ignorar ou descartar a decisão do tribunal em um país democrático com a divisão constitucional de poderes.

O vice-conselheiro de segurança nacional da Coréia do Sul, Kim Hyun-chong, afirmou que o Japão tomou a medida de retaliação comercial enquanto os esforços diplomáticos para resolver o problema "ainda não tinham acabaram".
Ele disse que a Coreia do Sul ainda está disposta a resolver a disputa histórica e as restrições à exportação do Japão via diplomacia, acrescentando que "todas as opções" estão na mesa.

"Nosso governo continua aberto a qualquer proposta construtiva, em reconhecimento à importância de se chegar a uma solução diplomática para a questão do trabalho forçado", disse ele.

A Coréia do Sul espera discutir com o Japão "soluções razoáveis" que possam ser aceitas por vítimas e pessoas de países vizinhos, disse ele.

"À luz disso, pedimos ao Japão que retire as medidas injustificadas de restrição à exportação e se abstenha de comentários e medidas que possam exacerbar ainda mais a situação", acrescentou Kim.
Um oficial de Cheong Wa Dae indicou mais tarde que o destino do Acordo Geral de Segurança de Informações Militares (GSOMIA) está entre as opções. Ele disse que Cheong Wa Dae examinará "objetivamente" a questão do GSOMIA, assinado em 2016 e estendido automaticamente a cada ano.

"Vamos dar uma olhada objetiva na GSOMIA qualitativa e quantitativamente em termos da informação que nós (temos) trocamos", disse o oficial em inglês.

Edição: José Romildo







Veja também em INTERNACIONAL


Coreia do Norte insulta Trump após comentário sobre relação com EUA
A Coreia do Norte voltou a insultar o presidente dos EUA, Donald Trump, chamando-o de ''velho errático e desatento'',.....


China diz que alunos de centros de detenção de Xinjiang se formaram
Uma autoridade da província chinesa de Xinjiang, no noroeste do país, disse hoje que todos os alunos de um polêmico programa aplicado......


Legisladores de Nova York tentam proibir o teste de virgindade
A polêmica em torno do rapper americano T.I., que revelou fazer questão de acompanhar a filha Deyjah Harris, de 18 anos, ao ginecologista para......


Fogos matam mais de dois mil koalas e destroem 25% do seu habitat em estado australiano
Além da morte dos koalas, estima-se que os fogos em Nova Gales do Sul, no sudeste da Austrália, tenham destruído quase um terço do habitat destes animais naquele estado australiano ...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News