Rondônia, - 00:24

 

Você está no caderno - NACIONAL
Nacional
Operação Florestas de Papel combate exploração ilícita de madeiras na Amazônia
A PF identificou mais de 91 mil metros cúbicos de madeira serrada que teriam sido “regularizadas” mediante fraude.
Publicado Sexta-Feira, 12 de Julho de 2019, às 11:49 | Fonte Policia Federal 0

 
 

Divulgação/ Internet

A Polícia Federal deflagrou hoje (12/7) a Operação Florestas de Papel, que tem o objetivo de desarticular esquema de exploração ilegal de madeiras na região amazônica nos períodos entre 2014 e 2017, envolvendo mais de 20 madeireiras.

Mais de 150 policiais federais cumprem 70 medidas judiciais, entre prisões preventivas, temporárias, mandados de busca e apreensão e de suspensão de atividade econômica nos estados de Roraima, Mato Grosso, Amazonas, Maranhão e Pará. Os mandados foram expedidos pela 4ª Vara da Seção Judiciária de Roraima, após representação da Autoridade Policial.

Os fatos foram apurados ao longo de 6 Inquéritos Policiais, com apoio do MPF, e apontam diversos tipos de fraudes cometidas por empresários para dar aparência de legalidade ao comércio e movimentação de madeiras.

As fraudes eram realizadas no SISDOF, sistema do IBAMA que gerencia a expedição dos Documentos de Origem Florestal (DOF). O DOF é uma licença obrigatória para o controle do transporte e armazenamento de produtos e subprodutos florestais de origem nativa, como toras de madeira e madeira serrada. A PF identificou mais de 91.000 metros cúbicos de madeira serrada que teriam sido “regularizadas” mediante fraude.

Convertidas em toras de madeira, este quantitativo se aproxima de 260.000 metros cúbicos, ou 120.000 toras, o suficiente para carregar aproximadamente 8 mil caminhões. Dentre as espécies identificadas encontram-se Ipês, Cedros, Maçarandubas, Aroeiras e Jacarandás, dentre outras. No mercado, o valor das madeiras envolvidas na fraude poderia chegar a quase 80 milhões de reais.

O esquema utilizava empresas de fachada para conseguir ou utilizar DOFs, os quais eram empregados para “esquentar” madeiras retiradas ilegalmente com a simulação de extração, compra ou venda de madeiras entre as próprias empresas do esquema. Vinte e duas empresas são investigadas, e vários dos sócios seriam laranjas dos reais proprietários. A maior parte das madeireiras investigadas são localizadas no sul do estado de Roraima.

 

Comunicação Social da Polícia Federal em Roraima

[email protected]

Contato:  (95)3621-1500









Veja também em NACIONAL


Presidente Jair Bolsonaro fala sobre a Folha de SP no twitter: Panfleto ordinário!
Em postagem nas redes sociais, neste domingo (6), Bolsonaro disse que a Folha ”avançou todos os limites, transformou-se num......


TRE julga hoje ação que pede inelegibilidade de Doria por oito anos
O Tribunal Regional Eleitoral de SP (TRE-SP) julga, nesta terça-feira (8), um processo em que o governador João Doria (PSDB-SP)......


Fora da realidade! Rodrigo Maia acusa Moro de querer acuar Congresso com Projeto Anticrime
Rodrigo Maia voltou a desqualificar o projeto anticrime de Sergio Moro e acusa Ministro de acuar “a casa do povo”...


Condenado a mais de 100 anos de prisão, ex-cabo da PM foge do Batalhão da Rotam em Cuiabá
O ex-cabo da Polícia Militar, Helbert de França Silva, foi condenado pelos crimes de tentativa de homicídio e homicídio qualificado...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News