Rondônia, - 01:49

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
Internacional
Pelo menos 63 pessoas detidas enquanto tentavam fugir de Myanmar
A maioria dos detidos eram de campos situados perto de Sittwe, capital do estado ocidental de Rakhine
Publicado Quarta-Feira, 10 de Julho de 2019, às 10:38 | Fonte Expresso - Portugal 0

 
 

YE AUNG THU/GETTY IMAGES

Pelo menos 63 muçulmanos foram detidos pelas autoridades do Myanmar (antiga Birmânia), após a embarcação que os levava para fora do país ter naufragado.

A maioria dos detidos eram de campos situados perto de Sittwe, capital do estado ocidental de Rakhine, onde mais de 120.000 pessoas das etnias rohingya e kaman, ambas maioritariamente muçulmanas, vivem desde 2012, segundo fontes policiais.

O naufrágio foi descoberto no passado fim de semana.

A polícia acusou de tráfico de seres humanos seis das pessoas que estavam na embarcação, outras quatro de posse ilegal de armas, e adiantou que os traficantes tinham nacionalidade birmanesa e bangladeshiana.

Segundo as autoridades, os traficantes teriam a intenção de levar o grupo de muçulmanos para a Malásia.

Entre 2012 e maio de 2015, cerca de 170.000 rohingyas, de Rakhine, confiaram em redes de tráfico para fugirem à repressão de que são alvo no Myanmar, onde não são reconhecidos como cidadãos, para serem levados para países como a Malásia ou a Tailândia.

As autoridades malaias e tailandesas conseguiram, em meados de 2015, desmantelar essas redes, o que reduziu a emigração da minoria rohingya.

Naquele momento, calcula-se que viviam no estado de Rakhine mais de um milhão de rohingyas, na sua maioria apátrida, após lhes ser retirada a cidadania pelo Governo birmanês no início da década de 1990, e serem submetidos a um regime de discriminação ao serem considerados como imigrantes ilegais do Bangladesh, apesar de várias gerações da minoria viverem no país.

Em agosto de 2017, o exército birmanês lançou uma campanha militar contra os rohingya em consequência dos ataques do Exército de Salvação rohingya, de Arakán, contra postos policiais e militares.

A operação militar, que os investigadores da ONU classificaram como "genocídio intencional", provocou o êxodo de cerca de 725.000 membros da minoria para o país vizinho, o Bangladesh.

A detenção das 63 pessoas que estavam na embarcação coincide com a viagem oficial à Tailândia e à Malásia da relatora da ONU sobre os direitos humanos no Myanmar, Yanghee Lee, a quem o Governo do Myanmar não permite a entrada no país.

Lee afirmou no ano passado que as operações militares de 2017 contra os rohingya têm "o selo distintivo de um genocídio".

LUSA
 









Veja também em INTERNACIONAL


Na Alemanha, ministra diz que Brasil é potência agrícola e ambiental
“Queremos mostrar ao mundo como nossa agricultura realmente é”, disse a ministra Tereza Cristina...


Óleo que atinge litoral do Nordeste pode ser da Venezuela
Bolsonaro disse que o governo já tem “no radar” um país de onde poder ter partido o óleo...


África do Sul. Ex-Presidente Jacob Zuma vai mesmo ser julgado por corrupção
Jacob Zuma, no poder entre 2009 e 2018, tinha pedido o abandono da acusação, afirmando-se vítima de uma ''caça às bruxas'' lançada há cerca de 20 anos num rocambolesco caso de venda de armas ...


Curdos dizem que morreram muitos civis no primeiro dia do ataque turco
A Turquia lançou a ofensiva militar depois de os Estados Unidos terem anunciado no domingo que as tropas norte-americanas na região, que prestavam apoio militar às milícias curdas contra o Estado Islâmico, iam retirar-se do teatro de operações ...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News