Rondônia, - 12:34

 

Você está no caderno - Economia
Economia
Com perspectivas de ganhos, empresas aplaudem acordo entre Mercosul e UE
 Uma semana depois do anúncio do acordo de livre-comércio entre Mercosul e União Europeia, empresários e executivos brasileiros fazem as contas para dimensionar com...
Publicado Sábado, 6 de Julho de 2019, às 11:27 | Fonte Diário do Pernambuco 0

 
 

Foto: Cristina Horta/EM/D.A Press

Fabricante de pão de queijo espera aumentar as vendas significativamente nos próximos 10 anos. Tributação imposta ao suco de laranja deve cair pela metade. E a carne bovina terá tarifa zero a partir de 99 mil toneladas.

 Uma semana depois do anúncio do acordo de livre-comércio entre Mercosul e União Europeia, empresários e executivos brasileiros fazem as contas para dimensionar com mais propriedade e exatidão as perspectivas de negócios diante do histórico tratado comercial.

Um dos mais empolgados é o diretor executivo da Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR), Ibiapaba Netto. Pelos seus cálculos preliminares, os produtores brasileiros —como Cutrale, Citrosuco e LDC Juice (do grupo Louis Dreyfus) — terão economia imediata de cerca de US$ 100 milhões nas vendas para países europeus, e de US$ 195 milhões entre sete e 10 anos.

Isso porque a atual tributação imposta pela UE ao suco de laranja Made in Brazil, de 12,2% em média, vai cair pela metade assim que o acordo estiver ratificado, chegando a zero daqui a uma década. “Ainda estamos elaborando estudos mais detalhados sobre os efeitos em volume e preço, mas já podemos concluir que se trata de um cenário sensacional para o aumento da competitividade brasileira lá fora”, garante Netto, que participou da elaboração de parte do acordo em rodadas de negociações nos últimos dois anos, desde que o tema voltou à mesa do governo do ex-presidente Michel Temer. “É algo, sem dúvida, muito relevante para nós. Cerca de 70% de tudo que o Brasil exporta em suco de laranja vai para a Europa, com receita média de US$ 1,6 bilhão por ano.”

Os números do executivo da CitrusBR podem até estar subestimados. Na matemática feita pelo governo brasileiro, as exportações para a UE deverão crescer em até US$ 100 bilhões dentro de uma década. Embora o conteúdo do acordo ainda não tenha sido publicado, sabe-se que produtos industriais e agrícolas terão as tarifas de importação simultaneamente — e de forma escalonada — reduzidas até zero, como frutas, café, peixes, carne, calçados, peças industriais e metais.

Itens brasileiros considerados pelos europeus como mais competitivos também chegarão à tarifa zero, mas sob regime de cotas anuais, como a carne vermelha, com 99 mil toneladas; frango, com 180 mil toneladas; e arroz, com 60 mil toneladas (confira as cotas no gráfico ao lado). Se forem superados esses volumes, haverá cobrança de tarifas, mas sem percentual definido, por enquanto.

“O acordo Mercosul-União Europeia é bastante contemporâneo”, afirma Francisca Grostein, professora do curso de gestão de comércio exterior da Universidade Presbiteriana Mackenzie. “Além de abordar questões comerciais, contempla temas como sustentabilidade ambiental e compras governamentais.”

Diante desse cenário positivo, não apenas as grandes companhias se preparam para uma disparada em suas exportações, mas também as pequenas e médias empresas. Exemplo disso é a fabricante mineira de pães de queijo Maricota. Segundo a gerente de negócios internacionais do grupo, Marília Espalaor, as vendas para o mercado internacional devem passar dos atuais 4% da receita para mais de 20% em 10 anos.

“A Europa, certamente, se tornará um dos principais destinos dos nossos produtos nesse período”, afirma a executiva. “Exportamos hoje muito pouco para a Europa, mas existe uma grande demanda do produto por lá. Sabíamos que faltava uma forma de o produto encontrar o caminho até o consumidor. Isso vai ocorrer agora”, completa Marília. A indústria emprega hoje 450 funcionários e só exporta para Portugal. O plano é ampliar as vendas também para a Espanha e a Itália.

Assim como a fabricante mineira de pão de queijo, outras centenas — talvez milhares — de negócios do país tendem a tirar proveito da facilitação das regras de comércio com os europeus. Mesmo sem muitos detalhes sobre o acordo comercial, a grande maioria dos setores enxerga a aproximação entre os dois blocos como boa notícia.

Principal economia do Mercosul, o Brasil tem índice de abertura comercial de 25%, o que é pouco em comparação à média de países emergentes, que está na casa dos 80%. “Facilitar a comercialização entre essas regiões tende a aumentar a abertura econômica do país”, diz Fernanda Consorte, economista-chefe e estrategista do Banco Ourinvest.
Continua depois da publicidade


Fernanda diz que o esboço do acordo sugere que os efeitos serão de longo prazo, uma vez que o Mercosul só deve obter exportações com tarifas próximas a zero em 10 anos. “Faz sentido os preços de ativos locais, como a taxa de câmbio, não terem reagido à notícia. Temos que encarar esse acordo como um ganho institucional para o Brasil e o Mercosul, assim como manter uma expectativa positiva de possíveis novos acordos.”
 
Setores 

 
Por ser a locomotiva das exportações brasileiras, o agronegócio é, naturalmente, o que mais comemora o livre-comércio com a União Europeia. As indústrias brasileiras da pecuária e da agricultura são altamente competitivas globalmente e não têm receio de disputar mercado com nenhum outro país. “Esse acordo é um passo fundamental para nos inserir na economia global, além de ser um cartão de visitas para a celebração de acordos conjuntos ou bilaterais”, diz o diretor executivo da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Luiz Cornacchioni.


A confiança do agro, porém, não reflete o sentimento de todos os setores da economia. Não somente por ter mais mercado para vender seus produtos, os fabricantes nacionais enxergam com receio um aumento na concorrência no Brasil e no exterior.

Os europeus estão especialmente interessados nos capítulos do acordo que contemplam a redução de tarifas para carros e autopeças, que deverão chegar a livre-comércio em 15 anos. “O importante agora em diante será diminuir o custo/Brasil, o peso tributário e as dificuldades para a indústria”, afirma Sílvio Campos Neto, economista da consultoria Tendências. “Caso contrário, produtos europeus podem roubar mercado local.”

Pela estrutura básica do acordo, 100% dos produtos industrializados no Mercosul terão alíquota zerada. Ainda assim, a ressalva é sobre a disputa no mercado interno. João Carlos Marchesan, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), vê enormes possibilidades de aumentar as exportações, mas condiciona o sucesso do acordo a uma isonomia com os europeus.

“O Brasil precisa melhorar a logística, o acesso ao crédito e diminuir a carga tributária, que torna o país pouco competitivo.” Não que a solução seja subsidiar esses custos, como foi a política de governos passados, mas executar as reformas que permitam que produtos brasileiros estejam em pé de igualdade com os do redor do mundo. “Precisamos das reformas, senão, de nada adianta. No Brasil, um maquinário tem de 6% a 7% de impostos agregados. Na Europa, isso é zero.”

O temor de eventualmente perder espaço para os europeus faz com que vários setores ainda estejam acompanhando com lupa a definição dos detalhes do acordo. Um deles é o setor calçadista. “Um aspecto que pode colocar tudo a perder é a regra de origem”, diz o presidente executivo da Associação Brasileiras das Indústrias de Calçados (Abicalçados), Heitor Klein. “Se um país asiático, por exemplo, estabelecer uma fábrica na Europa, temos de assegurar que esse produto não seja acrescentado na lista de produtos autorizados a virem ao Brasil.”

O que está em jogo
 

Em até 10 anos, o Brasil deve ter entrada gratuita na Europa para produtos do agronegócio, peças industriais, tecidos e químicos

Tarifa zero

Suco de laranja, frutas, café, peixes, crustáceos, calçados, tecidos, metais, produtos químicos e biodiesel

Sob regime de cotas

Carne bovina – tarifa zero até 99 mil toneladas
Aves – tarifa zero até 180 mil toneladas
Porcos – tarifa zero até 25 mil toneladas
Etanol – tarifa zero até 450 mil toneladas (uso químico) e 200 mil (outros usos)
Arroz – tarifa zero até 60 mil toneladas

Mel – tarifa zero até 45 mil toneladas

Benéficios
US$ 44 bilhões foi o total de exportações para a União Europeia em 2018. US$ 100 bilhões é o ganho esperado nas vendas para o bloco até 2035. O acordo deve resultar num impacto positivo no PIB de US$ 125 bilhões, em 15 anos.

Por: Correio Braziliense









Veja também em Economia


Receita libera pagamento do 4º lote de restituição do IR 2019
Lote inclui restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2018 ...


Brasil eleva em 9,5% comércio com EUA, mas diminui com outros países
As exportações brasileiras para os Estados Unidos cresceram 9,5% em agosto deste ano, na comparação com o mesmo período de 2018...


Mercado espera redução de juros no Brasil e nos EUA nesta semana
Semana começa com expectativa de redução de 0,5 ponto percentual nos juros básicos do Brasil e dos Estados Unidos na ''superquarta'', apesar das incertezas internas e do impacto do ataque na Arábia Saudita sobre os preços do petróleo ...


Mercado financeiro espera por redução da Selic para 5,5% ao ano
O mercado financeiro espera que a taxa básica de juros, a Selic, seja reduzida em 0,5 ponto percentual, dos atuais 6% ao ano para 5,5% ao ano,.....

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News