Rondônia, - 00:48

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
Internacional
Iraque. Naufrágio de ferry no rio Tigre provoca quase uma centena de mortos em Mossul
Os passageiros cruzavam o rio com destino aos parques onde as famílias tradicionalmente fazem piqueniques para celebrar o Ano Novo persa. O ministro da Justiça ordenou a prisão de nove trabalhadores da empresa de ferries e impediu os proprietários do barco e agentes turísticos de saírem do país. O trabalho dos jornalistas estará a ser condicionado
Publicado Sexta-Feira, 22 de Março de 2019, às 09:31 | Fonte Expresso 0

 
 

WALEED AL-KHALED/AFP/GETTY IMAGES


Quase 100 pessoas morreram após o naufrágio de um ferry no rio Tigre, esta quinta-feira, na cidade iraquiana de Mossul, avança a BBC. A maioria das vítimas são mulheres e crianças, revelou o Ministério do Interior.

“O barco afundou-se porque havia muitos passageiros a bordo”, disse à agência de notícias AFP um responsável dos serviços de segurança. Estima-se que, no momento do acidente, se encontravam a bordo cerca de 200 pessoas, a maior parte das quais não saberia nada.

Os passageiros estavam a cruzar o rio com destino aos parques onde as famílias tradicionalmente fazem piqueniques por ocasião do Noruz, a celebração do Ano Novo no calendário persa.

PRIMEIRO-MINISTRO ACOMPANHA CASO “COM DOR E TRISTEZA”
Segundo vários relatos, o ministro iraquiano da Justiça ordenou a prisão de nove trabalhadores da empresa de ferries e impediu os proprietários do barco e agentes turísticos de saírem do país.

O primeiro-ministro, Adil Abdul-Mahdi, pediu uma investigação “para apurar responsabilidades”, dizendo estar a seguir o caso “com dor e tristeza” e disponibilizando “todos os esforços estatais” para encontrar sobreviventes e tratar as vítimas. O chefe de Governo visitou um hospital e uma morgue na cidade e declarou três dias de luto nacional.

A plataforma independente de notícias Mosul Eye escreveu no Twitter que “as forças de segurança estão a tentar prender jornalistas que se encontram a cobrir o desastre em Mossul”, tendo-os “impedido de entrevistarem familiares das vítimas”.

DEZENAS DE PESSOAS A FLUTUAR OU A TENTAR NADAR
Depois das fortes chuvas dos últimos dias, as autoridades abriram as comportas com o intuito de aliviar a pressão na grande represa de Mossul. Foram emitidos avisos ao público, alertando que as margens do rio estariam mais perigosas e apresentariam níveis mais altos de água, o que terá contribuído para o naufrágio.

Vídeos publicados nas redes sociais mostram dezenas de pessoas a flutuar ou a tentar nadar em torno de um barco, lutando contra uma forte corrente.

Pelo menos 19 crianças e 61 mulheres estão entre os 94 mortos confirmados, tendo sido resgatadas 55 pessoas, segundo revela o balanço mais recente.

 









ADS NEWS 5

Veja também em INTERNACIONAL


Japão. Shinzo Abe garante lugar na História mas fica abaixo de votação necessária para mudar Constituição
Aquele que será brevemente o primeiro-ministro há mais tempo em funções no país tentou minimizar a importância de não ter conseguido os assentos necessários para......


FocusEconomics prevê estagnação económica em Angola este ano
Segundo a FocusEconomics, o crescimento angolano estará em baixa devido ao aumento das importações e da queda do setor petrolífero. Em 2020, prevê-se um aumento de 1,6% do PIB....


Ciudadanos: Sim à Espanha e Não ao plano Sánchez
O líder do Ciudanos escolheu a bandeira da identidade nacional e a lei da Memória Histórica para enfrentar Pedro Sánchez no debate que está a decorrer no Congresso......


Governo angolano licenciou apenas 241 das 750 cooperativas que pretendem explorar diamantes
O licenciamento destas cooperativas decorre da estratégia do governo para o combate ao garimpo e ao tráfico ilícito de diamantes, no âmbito da denominada ''Operação Transparência'' existente desde 2018....

 




 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News