Rondônia, - 12:37

 

Você está no caderno - Artigos
Os tucanos afundaram a capital da BR até o talo
Em Ji-Paraná os tucanos afundaram a capital da BR até o talo
O receio com o extremismo As atenções do planeta estão sempre focadas na Amazônia, para exortar à preservação ou condenar a..
Publicado Terça-Feira, 23 de Outubro de 2018, às 20:48 | Fonte Carlos Sperança 0

 
 

 

O receio com o extremismo

As atenções do planeta estão sempre focadas na Amazônia, para exortar à preservação ou condenar a destruição da biodiversidade. Às vésperas da eleição presidencial, se vê o receio de que um “extremista” será eleito, impressão passada pela agressividade na disputa presidencial.

Um extremista pode desprezar a moderação da ONU, baixar a motosserra sem piedade e trocar bilhões de bichos selvagens por alguns milhares de domesticados, abalando gravemente o clima no planeta.

O jornal The New York Times vê riscos nos dois contendores, porque um promete desconhecer os direitos dos índios, cujas reservas são garantias de preservação, e outro é de um partido avalizou Belo Monte, contra todos os avisos de que a obra seria uma agressão severa ao meio ambiente.

Será um temor exagerado? O desunido “centro democrático” perdeu a chance de ser a receita contra os extremos e a sorte está lançada, mas o próximo presidente terá que se moderar ao assumir, por acordos internos e compromissos externos.

Qualquer atitude “extremista” será brecada por diversos freios: a Constituição, a Justiça, a diversidade no Congresso e, como já se viu no episódio da longa resistência dos caminhoneiros, se a paciência do povo acabar.

…………………………….

Na reta final

A eleição em Rondônia entra na reta final e é marcada pela ampla vantagem do postulante Marcos Rocha (PSL) sobre Expedito Junior (PSDB). Trata-se de uma das maiores reviravoltas já registradas no estado e já é previsível estimar uma vantagem estratosférica – acima de 100 mil votos – a favor do candidato de Bolsonaro no estado. Um tsunami nas urnas.

A terceira taca

Com seu prestigio, Confúcio Moura ajuda na terceira taca em Expedito – desta vez indireta – através do seu ex-secretário Marcos Rocha. Confúcio ganhou apertado duas vezes do tucano, mas Rocha vem embalado com o apoio do presidenciável do PSL e aproveitando-se da rejeição do adversário Expedito, especialmente em Porto Velho, onde a gestão tucana afundou nas mãos do tucanato.

Fazendo as contas

O eleitor esta fazendo as contas. Será que é esta administração dos tucanos que Rondônia quer? Em Ji-Paraná os tucanos de Ildemar Kussler afundaram a capital da BR até o talo, em Porto Velho, onde o próprio Expedito também administra com o alto escalão indicado, se vê fezes pululando nas ruas. Não é este modelo de gestão que o estado deseja.

Nada cola

Marcos Rocha chegou num estágio da campanha onde nada cola. Os tucanos se esborracham em enlameá-lo, buscando uma bala de prata e nada repercute negativamente, tudo passa por apelação. É uma tradição local, nos últimos dias de campanha todos os governadores que se elegeram foram enlameados e o quadro eleitoral não foi alterado. A história se repete.

As intenções

Com Bolsonaro já passando dos 77 por cento de intenções de votos em Rondônia a tendência é do seu fiel escudeiro Marcos Rocha, que disputa o governo estadual crescer ainda mais e se aproximar desta marca recorde. Na capital, onde a rejeição do candidato tucano é maior do que a do interior, a pisa vai ser mais forte. Domingo, por conseguinte, é dia de peia histórica nos tucanos, que são irmãos siameses em corrupção do MDB e do PT.

 









Veja também em Artigos


A jabuticaba política
Fruto que se supõe só existir no Brasil, o MDB é uma espécie de jabuticaba. É no mundo único partido grande que governa em todas as.....


Vale a qualidade
Muito natural a programação de fala do consagrado pesquisador estadunidense Thomas Lovejoy abrindo a oficina “As dimensões.....


Sinalização de trânsito será implantada em cacoal
PAVIMENTAÇÃO O prefeito de Ouro Preto, Vagno Panisoly, disse esta semana estar bastante ansioso para o início das obras de.....


O que veio primeiro: a prisão ou a justiça?
Uma política de segurança O que veio primeiro: a prisão ou a justiça? Antes de um Poder Judiciário, ainda no século XVI, o Brasil.....

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News