Rondônia, - 01:35

 

Você está no caderno - Artigos
Impunidade garantida
Quem vai pagar a conta nas fraudes do ex-Banco de Rondônia - Beron
Na miríade de estranhas transações deram R$ 6 milhões em crédito ao cidadão Xis da Questão. Era Aparecido Xis da Questão Lima, notório pelos vínculos com o senador Valdir Raupp, candidato à reeleição pelo MDB. Foi no governo Raupp que o Banco de Rondônia quebrou.
Publicado Terça-Feira, 21 de Agosto de 2018, às 14:11 | Fonte José Casado - O Globo 0

 
 

Divulgação

Beron - Banco de Rondônia

Na segunda-feira o Banco de Rondônia não abriu, por absoluta insolvência. Em pouco tempo, os fiscais federais comprovaram as suspeitas: políticos usaram a instituição pública para financiar suas campanhas. Privilegiaram amigos com empréstimos milionários. E eles jamais pagaram.

Deixaram um rombo de R$ 370 milhões (valor atual). Pulverizaram mais de 90% do patrimônio da instituição na temporada eleitoral.

Demorou até a eleição seguinte, em 1998, para o banco estadual de Rondônia ser liquidado. Então, se descobriu que a tragédia provocada pelos políticos locais fora convertida em catástrofe pelos interventores do Banco Central.

Eles triplicaram os negócios desastrosos. Emprestaram R$ 1,4 bilhão (valor atual) sem garantias reais.

Na miríade de estranhas transações deram R$ 6 milhões em crédito ao cidadão Xis da Questão. Era Aparecido Xis da Questão Lima, notório pelos vínculos com o senador Valdir Raupp, candidato à reeleição pelo MDB. Foi no governo Raupp que o Banco de Rondônia quebrou.

Os novos empréstimos do Beron no balcão da política estadual, claro, não foram pagos. De cada R$ 100 que os interventores financiaram, cerca de R$ 40 viraram prejuízo.

O Banco Central sentiu-se obrigado a multar a si mesmo 104 vezes durante 35 meses. Ou seja, o BC multou o próprio BC a cada dez dias da intervenção, até a liquidação do Beron, em agosto de 1998.

Sobrou para a sociedade uma dívida bilionária. O governo de Rondônia assumiu a menor parte (cerca de R$ 500 milhões) para pagar em 240 prestações. Deu calote em metade.

Lá se foram 24 anos e seis eleições. Quarta-feira passada o governo de Rondônia assinou um novo acordo, o sétimo. Agora, promete pagar R$ 11 milhões por mês até 2048.

Se der certo, os brasileiros passarão 54 anos pagando a conta das fraudes num banco público realizadas por políticos e burocratas nomeados em Brasília. Até agora é uma história sem fim, com impunidade garantida.

José Casado - O Globo









Veja também em Artigos


E agora “RORO”, como é que fica?
E agora “RORO”, como é que fica? O pessoal da produção do Musical Mamonas, está querendo saber da posição da presidência da.....


O velho e guerreiro João Paulo II
Deixou de ser novidade a superlotação no Hospital João Paulo II, considerado o maior pronto-socorro de emergência do estado de.....


Esse negócio de querer ganhar no grito já não cola
Esse negócio de querer ganhar no grito já não cola. Estou me referindo a ameaça postada pelo particular amigo (do Silvio Santos), Paulo.....


Técnicos aproveitados no futuro governo
Quem estiver fazendo um bom trabalho no atual governo poderá ser aproveitado no governo do coronel Marcos Rocha (PSL), que assume a partir.....

 


ads2507



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News