Rondônia, - 01:58

 

Você está no caderno - Saúde
NUTRIÇÃO
Nutrição pós-Covid-19 é aliada na recuperação da doença; pacientes relatam fraqueza e perda de peso
Alimentar-se de forma adequada e saudável faz a diferença visto que os alimentos fornecem recursos que atuam na resistência do organismo ao coronavírus...
Publicado Quarta-Feira, 7 de Abril de 2021, às 15:21 | Fonte Ascom Governo de Rondônia 0

 
 

Foto: Daiane Mendonça 

Alimentar-se de forma adequada e saudável faz a diferença visto que os alimentos fornecem recursos que atuam na resistência do organismo ao coronavírus. Entre as principais sequelas relatadas por pacientes acometidos pela Covid-19 estão a fraqueza e a perda de peso. O comprometimento do olfato que surge comumente entre os primeiros sintomas pode estar relacionado a falta de apetite, resultando na fraqueza do indivíduo. 

O nutricionista é considerado o profissional habilitado para prescrever dietas. De acordo com a nutricionista do Hospital de Emergência João Paulo II, Ana Paula Anísio, é comum que os pacientes que receberam alta se sintam mais fracos, sem vontade de comer e que tenham emagrecido. Ela garante que uma alimentação adequada ajuda a evitar a perda de peso e retomar a rotina diária aos poucos. “O descanso, o consumo de água adequado, a atividade física e as atividades diárias que fortalecem o pulmão aliados a uma alimentação saudável são fundamentais no processo de recuperação da Covid-19”.

A adequação da alimentação é baseada de acordo com perfil corporal e sintomas que o paciente apresenta, inclusive a quantidade ideal de água para cada pessoa é prescrita pelo profissional. Segundo a especialista, é imprescindível que o paciente seja submetido a uma série de vitaminas que devem ser o mais natural possível, em quantidades específicas. “Por isso são feitas as suplementações vitamínicas através de capsulas manipuladas ou até vendidas nas farmácias. Estes medicamentos conseguem atingir o nível ideal, e são prescritas de acordo com a necessidade do paciente” garante Ana Paula. 

Entre as principais vitaminas que devem ser consumidas durante este período, estão as vitaminas A, C, D, Zinco, Selênio, Magnésio e Iodo, além da adequação do consumo de Ferro. “Muitos pacientes reclamam de fraqueza e falta de apetite. O ferro, em quantidade certas regula este sintoma. O consumo da carne vermelha contribui com a melhora”, diz a profissional.

Tanto pacientes sintomáticos como os assintomáticos devem se preocupar em adequar a alimentação. “Temos tido muitos relatos de pacientes que tem apresentado  diabetes e hipertensão no pós Covid. A boa alimentação é primordial para evitar essas sequelas” garante a nutricionista.

Francimar Rodrigues, de 50 anos, perdeu 8kg de massa corporal em um mês. Segundo especialistas, isso acontece devido ao gasto metabólico para combater a doença no organismo. “Desconfiei da falta de apetite, fui ao médico e lá eu descobri que a Covid-19 despertou em mim a diabetes e por isso perdi muito peso”, diz a paciente.

Além da diabetes, Francimar enfrenta dores na coluna diariamente, perda de memória, dores musculares, e relata problemas de visão. Devido ao emagrecimento significativo, ela resolveu buscar ajuda profissional e garante o acompanhamento ainda é necessário, mesmo um ano após a contaminação. “Tomei suplementos hipercalóricos, medicação e tenho até hoje uma alimentação balanceada. Sigo as recomendações nutricionais a risca, além de tomar medicamentos específicos para controlar a glicemia”.

A sardinha, o salmão, o arenque, o atum, as sementes de chia, as nozes e linhaça, e demais alimentos ricos em Ômega-3 ajudam a fortalecer o sistema imunológico. Já a castanha do pará, o trigo, o arroz, a gema de ovo, as sementes de girassol, o frango, o pão de forma, o queijo, o repolho e a farinha de trigo são ricos em Selênio. Alimentos como as ostras, camarão, carne de vaca, frango, peru e peixe, fígado, gérmen de trigo, grãos integrais e frutos secos (castanha, amendoim e castanha do Pará) são ideias para o fornecimento do Zinco no organismo. 

A laranja, a tangerina, o abacaxi, o limão, o morango, o melão, o mamão, a manga, o kiwi, brócolis, o tomate, a melancia e a batata com casca, são essenciais para o fornecimento de vitamina C. As sementes de girassol, a avelã, o amendoim, as amêndoas, a pistache, a manga, o azeite de oliva, o molho de tomate, o azeite de girassol, as nozes e o mamão, são ricos em vitamina E. Alimentos como cenoura, batata doce, manga, espinafre, melão, acelga, pimentão vermelho, brócolis, alface e ovo, são ricos em Vitamina A. O iogurte natural, o leite fermentado são ótimos para manter a saúde intestinal, além de fortalecer a imunidade de forma natural.




Veja também em Saúde


Chegada das vacinas Sputnik V a Rondônia depende da celeridade da Agência Nacional de Vigilância Sanitária
A consolidação da compra dos primeiros lotes da vacina Sputnik V, imunizante contra a covid-19 desenvolvido pelo governo russo que será comprado pelo Governo do Estado de Rondônia vai depender da celeridade da Agência Nacional de Vigilância Sanitár...


Boletim de Ações Estratégicas Contra a Covid-19 - 14 de abril de 2021
Nas últimas 24h o Ministério da Saúde publicou ações Estratégicas Contra a Covid-19......


Ministro da Saúde e embaixador da União Europeia discutem ações de enfrentamento à pandemia
Marcelo Queiroga participou de videoconferência com o embaixador Ignacio Ybañez e fez apelo por antecipação de doses de vacinas Covid-19... ...


Gestantes, puérperas e lactantes: Saúde orienta vacinação contra a covid-19 para mulheres de grupos prioritários
Mulheres nessas condições que queiram se vacinar devem procurar os serviços de saúde somente quando chegar a fase de imunização do grupo prioritário onde elas estão inseridas... ...

 



 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News