Rondônia, - 20:36

 

Você está no caderno - CIÊNCIA E SAÚDE
gastos com saúde
Metade dos municípios da região Norte ampliaram gastos com saúde em 2017
Entre eles, só uma capital: Palmas, no Tocantins, que investiu R$ 185,2 milhões no ano passado, valor 4% maior do que os R$ 178 milhões gastos em 2016.
Publicado Quarta-Feira, 9 de Janeiro de 2019, às 14:27 | Fonte Assessoria de Comunicação 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=358626&codDep=42" data-text="Metade dos municípios da região Norte ampliaram gastos com saúde em 2017

  
 
 

Apenas metade dos municípios da região Norte do país analisados pelo anuário Multi Cidades – Finanças dos Municípios do Brasil, publicação da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), ampliaram seus gastos com saúde em 2017. Entre eles, só uma capital: Palmas, no Tocantins, que investiu R$ 185,2 milhões no ano passado, valor 4% maior do que os R$ 178 milhões gastos em 2016.

Além da capital do Tocantins, outras cinco cidades analisadas aumentaram seus gastos com saúde. Foram elas Marabá (PA), que aumentou o investimento em 12,9% e totalizou R$ 178,8 milhões em 2017 contra os R$ 158,3 milhões em 2016; Ji-Paraná (RO), que gastou R$ 69 milhões em 2017, valor 11,9% maior do que os R$ 61,6 milhões gastos em 2016; Araguaína (TO), que gastou R$ 94 milhões com saúde em 2017, valor 4,2% maior do que o investido no ano anterior; Santarém (PA), que teve aumento de 3,1% no seu gasto com saúde em 2017; e Cruzeiro do Sul (AC), que aumentou em 0,5% seu investimento no ano passado.

Do outro lado do ranking, seis capitais registraram quedas nos seus gastos com saúde: a maior foi em Macapá (AP), que gastou R$ 135,4 milhões em 2017, valor 8% menor do que o investido em 2016, que foi de R$ 147,2 milhões. Belém (PA) gastou R$ 802,4 milhões com saúde em 2017, montante 6,6% menor do que os R$ 858,7 milhões gastos em 2016. Desaceleração de 6,5% foi registrada em Boa Vista (RR), que investiu R$ 182,4 milhões em saúde em 2017 contra os R$ 195,1 milhões gastos no ano anterior.

Outras quedas foram registradas em Manaus (AM), Rio Branco (AC) e Porto Velho (RO). A administração pública da capital manauara reduziu em 2,5% seus gastos com saúde em 2017; já Rio Branco (AC) gastou 2,4% a menos no ano passado; por fim, Porto Velho (RO) teve queda de 2,1% no período analisado.

A desaceleração em quase todas as capitais fez com que os gastos com saúde na região Norte passassem de R$ 8 bilhões em 2016 para R$ 7,9 bilhões no ano passado, uma queda de 1,3% na pauta.

Em sua 14ª edição, o anuário utiliza como base números da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apresentando uma análise do comportamento dos principais itens da receita e despesa municipal, tais como ISS, IPTU, ICMS, FPM, despesas com pessoal, investimento, dívida, saúde, educação e outros.

O Multi Cidades – Finanças dos Municípios do Brasil (Ano 14 - 2019) foi viabilizado com o apoio de Alphaville Urbanismo, APP 99, BRB, Comunitas, Guarupass, Hauwei, MRV, prefeitura de Cariacica/ES, prefeitura de Guarulhos/SP, prefeitura de Ribeirão Preto/SP, prefeitura de São Caetano do Sul/SP, Sabesp, Saesa e Sanasa.

Brasil: municípios investem mais e gastos com saúde têm pequeno aumento

Foram dois anos seguidos de quedas, que resultaram numa redução de R$ 5,58 bilhões nos investimentos, mas em 2017 o gasto com saúde dos municípios brasileiros apresentou uma pequena melhora no montante aplicado, passando de R$ 138,83 bilhões em 2016 para R$ 139,72 bilhões no ano passado, um aumento de 0,6%.

“Desde 2015, quando o agravamento da crise econômica no país provocou uma retração significativa nas receitas dos municípios, a redução ocorrida nas áreas de saúde e educação sempre foi menos intensa que a queda da despesa total. No ano passado não foi diferente: enquanto a despesa total registrou queda de 2%, o gasto com saúde apresentou um pequeno aumento”, explicou a economista e editora do anuário Tânia Villela.

A economista acrescenta que, apesar da crise econômica e da sobrecarga no sistema público de saúde, as despesas municipais com a pauta interromperam o movimento de contração que vinha acontecendo desde 2015. “O orçamento municipal vem, cada vez mais, comprometendo-se com a saúde, com crescimento de ações e outros serviços públicos”, explicou. 

Entre todas as regiões do país, apenas os municípios do Norte apresentaram queda nos recursos aplicados: foram R$ 104,87 milhões a menos, uma retração de 1,3%. Do outro lado da tabela, as cidades das regiões Sul e Centro-Oeste foram as que apresentaram maiores variações positivas no período analisado, com alta de 1,7% e 1,4% respectivamente.

Quando analisados os desempenhos das capitais do país, os maiores aumentos percentuais em gastos com saúde foram registrados em Campo Grande (16,8%), Cuiabá (15,6%) e Belo Horizonte (9,7%). Já as maiores quedas ocorreram no Macapá (-8%), em Belém (-6,6%) e em Boa Vista (-6,5%). A publicação levantou, ainda, o gasto médio com saúde per capita dos municípios, que foi de R$ 682,85 em 2017.







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em CIÊNCIA E SAÚDE


Comunicado do Conselho Regional de Enfermagem de RO
os  profissionais de enfermagem com mais de uma inscrição no Coren, precisão  pagar somente a anuidade abrangente de maior catego...


Estoque de sangue tipo A+, A- e O é de apenas três dias, Fhemeron busca parceiros para intensificar doação
O ano iniciou e a preocupação do Estado continua em relação às doações de sangue. ...


Rondônia registrou mais de mil ataques de animais peçonhento em 2018, Bombeiros faz alerta
A incidência de acidentes com animais peçonhentos como cobras, escorpiões, lagartas, serpente, aranha, abelha, entre outros, cresce no período de chuvas decorrente da busca por um abrigo em local seco....


Centro de Reabilitação referência na rede pública em Porto Velho
Com 56 profissionais, dos quais aproximadamente 50% com nível superior em áreas, como fisioterapia ortopédica, fisioterapia neurológica, terapia ocupacional, fonoaudiologia (fonoterapia/disfagia/traqueostomia), psicologia adulto/pediátrico......

 


ADS NEWS 3




 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News