Rondônia, - 22:15

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
Internacional
Autoridades do Burundi pedem à ONU para sair do país
As Nações Unidas anunciaram esta quinta-feira que as autoridades do Burundi pediram à organização para sair do país, meses após a ONU o ter considerado como um dos “matadouros mais prolíficos de humanos nos últimos tempos”
Publicado Quinta-Feira, 6 de Dezembro de 2018, às 16:06 | Fonte Expresso 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=357851&codDep=24" data-text="Autoridades do Burundi pedem à ONU para sair do país

  
 
 

ANADOLU AGENCY/GETTY


A porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Ravina Shamdasani, afirmou que recebeu uma carta na quarta-feira a solicitar o fecho do gabinete no Burundi.

"É claro que lamentamos esta decisão e gostaríamos de continuar a nossa cooperação com o Burundi", acrescentou a porta-voz.
Fontes dentro do escritório da ONU no Burundi disseram à agência noticiosa Associated Press que lhes foi dado um prazo de dois meses para sair do país.

Há um ano, o Burundi fez história ao tornar-se o primeiro país a retirar-se do Tribunal Penal Internacional (TPI).

O Governo da nação do leste da África há muito que se tem indignado com relatos da ONU que descrevem alegados abusos no meio da agitação política desde que o Presidente do Burundi, Pierre Nkurunziza, decidiu concorrer a outro mandato em 2015.

Mais de 1200 pessoas foram mortas desde então, segundo a ONU, e juízes do TPI autorizaram uma investigação sobre alegados crimes patrocinados pelo Estado, incluindo assassinato, violação e tortura - e que prossegue, apesar da retirada do Burundi daquele organismo internacional.

Zeid Ra'ad al-Hussein, à época alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, afirmou no início deste ano que o Burundi estava entre "alguns dos mais prolíficos matadouros de humanos nos últimos tempos".

O Governo negou veementemente as acusações que tenham como alvo o seu próprio povo, referindo que as acusações são propaganda mal-intencionada espalhada pelos exilados.

O Burundi suspendeu a sua cooperação com o escritório de Direitos Humanos da ONU em outubro de 2016, acusando-a de "cumplicidade com golpistas e inimigos do Burundi", após um relatório que implicou o regime "em abusos sistemáticos e risco de genocídio".

Em dezembro de 2017, o Governo fechou quatro escritórios regionais do gabinete de Direitos Humanos da ONU no país e uma equipa de especialistas mandatada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU para investigar possíveis abusos foi expulsa em maio, apesar do acordo do Burundi em cooperar.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Burundi, Ezechiel Nibigira, convocou hoje uma conferência de imprensa sobre o assunto, mas acabou por adiar, afirmando aos jornalistas que comunicarão quando estiverem "bem preparados".

Rachel Nicholson, investigadora do Burundi para a Amnistia Internacional, considerou o anúncio "profundamente decepcionante" e pediu ao Governo que reverta a sua decisão.

Tendo recusado cooperar com uma comissão de inquérito da ONU ou assinar um memorando de entendimento com os monitores da União Africana, o Governo está novamente a tentar bloquear a monitorização independente, acrescentou Nicholson.

 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em INTERNACIONAL


Fechamento total da fronteira da Venezuela com o Brasil já é realidade
Em uma operação coordenada com os EUA, o governo Jair Bolsonaro vai permitir o uso de território brasileiro para que opositores do ditador Nicolás Maduro tentem levar ajuda humanitária à Venezuela em 23 de fevereiro....


Ditador Nicolás Maduro fecha fronteira com o Brasil
Em Brasília, o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, disse que o planejamento para entrega de leite em pó e kits de primeiros socorros foi mantido...


Erdogan garante que está a acompanhar de perto caso do jornalista saudita desaparecido em Istambul
A garantia foi dada pelo Presidente da Turquia depois de as autoridades do país terem dito que Jamal Khashoggi tinha sido morto no consulado saudita em Istambul. Segundo fontes turcas, as autoridades acreditam que o jornalista foi deliberadamente m...


Estados Unidos. Senadores enviam para FBI acusação de assédio sexual contra juiz Kavanaugh
...

 


ADS NEWS 3




 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News