Rondônia, - 01:29

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
Internacional
Laviano: a cidade que perdeu as suas pessoas e que teve de pagar para que nascessem bebés
Um terramoto em 1980 matou 300 pessoas na cidade italiana. E isso deixou marcas: perderam-se tantos que deixaram de nascer bebés. Mas a câmara municipal encontrou uma solução
Publicado Sábado, 3 de Novembro de 2018, às 06:27 | Fonte Expresso 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=356222&codDep=24" data-text="Laviano: a cidade que perdeu as suas pessoas e que teve de pagar para que nascessem bebés

  
 
 

GETTY


Gaia foi a primeira bebé a nascer e a receber o bónus de 10 mil euros oferecido pela câmara municipal de Laviano, em Itália. Passaram-se 15 anos, Gaia está na escola e quer seguir psicologia. É uma das 135 crianças e jovens que hoje frequentam o ensino local. Há 20 anos, eram menos de 60 alunos e isso preocupava. A solução? Pagar às pessoas para terem filhos.

“Para quem tinha emprego, que era o nosso caso, o bónus ajudava a pôr dinheiro de parte para o futuro”, explicou Daniela, mãe de Gaia, à BBC.

Laviano foi uma das cidades atingidas por um grande terramoto em 1980. A terra tremeu e levou com ela cerca de 300 pessoas. “À época representava cerca de 20% da população”, recordou Rocco Favilena, antigo presidente da câmara. Desde então, a taxa de natalidade decresceu.

“Percebi a extensão do problema e pensei: ‘meu Deus, nunca vamos ultrapassar isto’”, acrescentou o antigo autarca. Foi então que Favilena implementou o bónus para o nascimento de bebés. Estávamos em 2003 e os resultados fizeram-se sentir logo nesse ano: entre 2000 e 2002 nenhuma criança nascera na cidade; em 2003 chegaram 12 novos recém-nascidos a Laviano.

“Este incentivo monetário foi a única solução que consegui encontrar. Se funcionar, seremos salvos embora fiquemos falidos”, dizia Favilena ao jornal britânico “The Guardian”, aquando da aplicação da medida. “De certa forma,facilita as pessoas nascerem aqui. O problema que depois teremos é mantê-las cá até morrerem”, acrescentava.

O incentivo ao nascimento durou quatro anos e ajudou a que hoje nas ruas de Laviano exista o dobro das crianças de há 20 anos. O problema atual é manter as pessoas na cidade.

“A população da cidade caiu nos últimos sete ou oito anos. Muitos saem para estudar e já não voltam. Fazem vida no local para onde fora estudar, encontram trabalho e não voltam”, contou Daniela à BBC.

Laviano é uma pequena cidade no sul de Itália, a cerca de 150 quilómetros de Nápoles.

 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em INTERNACIONAL


Primeira grande entrevista ao presidente de Angola: “São conhecidos os que traíram a pátria”
João Lourenço, que visita Portugal na próxima semana, desafia José Eduardo dos Santos a denunciar corruptos. ...


“Coletes amarelos” provocam caos em França
Movimento “cidadão”contra aumento dos preços dos combustíveis, inédito e sem controlo político ou sindical, bloqueia mais de dois mil locais em todo o país. Ao meio do dia, números oficiais registavam um morto, 47 feridos, três deles em estado grav...


França. Manifestante morre em bloqueio dos “coletes amarelos” em Sabóia
Uma manifestante dos “coletes amarelos” morreu esta manhã em Sabóia, no sudeste de França. A mulher foi atropelada por uma condutora que levava a filha ao médico e, num momento de pânico, avançou com o carro contra os manifestantes dos ''coletes am...


124 mil “coletes amarelos” barram estradas francesas. Protestos já causaram um morto e 47 feridos
Ministro do Interior francês diz que nível de alerta e preocupação é “máximo”. Protestos contra o aumento dos combustíveis já causaram a morte de uma manifestante e fizeram 47 feridos, três deles em estado grave...

 


ADS NEWS 3




 
 
 
 
EMRONDONIA.COM

Tereré News