Rondônia, - 01:50

 

Você está no caderno - NACIONAL
Nacional
Motoristas e cobradores decidem suspender greve de ônibus por 24 horas
Publicado Terça-Feira, 12 de Junho de 2018, às 05:37 | Fonte Notícia ao Minuto 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=349529&codDep=30" data-text="Motoristas e cobradores decidem suspender greve de ônibus por 24 horas

  
 
 

© Reuters / Ricardo Moraes

 

Motoristas e cobradores de ônibus do Rio em greve desde a madrugada desta segunda-feira, 11, decidiram em assembleia que terminou há pouco suspender por 24 horas a paralisação. Eles voltarão ao trabalho nesta terça-feira, 12. A categoria aceitou a proposta de recomposição salarial de 7% (eles estavam pedindo originalmente 10%) oferecida pelo prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), e o aumento do valor das cestas básicas de R$ 200 para R$300 pelas empresas. No entanto, volta a se reunir para definir os rumos do movimento no que diz respeito ao fim do acúmulo de função de motorista e cobrador.

"Continuamos em estado de greve até que o prefeito decida acabar com a dupla função", afirmou o presidente do Sintraturb, Sebastião José. "Disso, a categoria não abre mão." O reajuste de 7% será feito em duas vezes: 3,5% em junho e o restante em novembro.

Sem aumento há dois anos, os rodoviários pediam reajuste salarial de 10% e da cesta básica, plano de saúde, aumento do vale-alimentação para R$ 490,50 e do vale-refeição para R$ 480 e o fim de dupla função de motorista e cobrador.

O empresariado havia acenado na semana passada com apenas 4% de reajuste, sendo 2% este mês e mais 2% em novembro, o que fora considerado "ridículo" pelo Sindicato dos Motoristas e Cobradores de ônibus do Rio (Sintraturb Rio). Nesta segunda, a proposta subiu, mas ainda assim não foi acatada pela categoria.

Antes da assembleia, Sebastião José se reuniu com Crivella. Após a reunião, o prefeito, em entrevista, chegou a fazer um apelo pela retomada das atividades. "Faço um apelo a todos esses sacrificados motoristas e funcionários que sabem da crise terrível que o Rio passa por conta de desmandos administrativos e políticos", disse.

"Nenhum Estado tem a tragédia de ver um governador condenado a 127 anos de cadeia, vários líderes políticos presos, empresários, funcionários públicos presos. Precisamos arrecadar, trabalhar dobrado", continuou o prefeito, referindo-se ao ex-governador Sergio Cabral (MDB).

Durante o dia, cerca de 30% da frota de 7.200 ônibus circulou, o que atrapalhou milhares de pessoas que seguiam para o trabalho. A espera por ônibus superou duas horas no terminal da Central do Brasil. Ônibus comuns e BRTs foram depredados e tiveram pneus esvaziados para que não seguissem viagem. Os bairros mais afetados foram os das zonas oeste e norte, mais adensadas.

"Primeiro foi a greve dos caminhoneiros e a falta de combustível, agora a dos rodoviários e falta ônibus. Acho as reclamações justas, mas deixar o trabalhador a pé não é justo. Já avisei ao patrão mas não sei se ele vai entender", disse a doméstica Jaqueline Soares, de 45 anos, que foi de Piabetá, na Baixada fluminense, ao terminal da Central do Brasil sem problemas (a greve foi apenas na capital), e passou 2h15 no terminal para seguir para a Barra da Tijuca, na zona oeste. Ela esperava a linha 309, da Viação Real, que teve apenas 10% de sua frota rodando de manhã.

Segundo o sindicato, as jornadas de trabalho chegam, em alguns casos, a 16 horas por dia. Rodoviários entrevistados pelo Estado em garagens relataram outros abusos. "Na carteira são sete horas. Fazemos doze e não recebemos a hora extra. Somos escravos do século 21", lamentou um motorista. "Meu salário foi parcelado em 23 vezes; minhas contas, não", disse outro, mostrando o contracheque. Outra reclamação é a ausência de banheiros nos terminais e de ar condicionado nos ônibus, o que os penaliza no verão carioca (mais da metade da frota não é climatizada).

Eles afirmaram que por vezes deixam de transportar passageiros com direito à gratuidade na passagem, como estudantes e idosos, para que cheguem ao total de pagantes exigido pelos empresários. "Quem não bate a meta de 300 passageiros leva ‘gancho’ (suspensão) da empresa, tem o dia descontado e o vale-refeição também. Agora a prefeitura acertou o aumento das passagens (de R$ 3,60 para R$ 3,95), mas quem se dá bem é o dono da empresa, enquanto o funcionário e o passageiro sofrem", desabafou outro. Com informações do Estadão Conteúdo. 

 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em NACIONAL


STF confirma liberdade a ex-servidor preso na Operação Carne Fraca
A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (14) confirmar decisão individual do ministro Dias Toffoli que mandou soltar o ex-servidor do Ministério da Agricultura Juarez José de Santana, preso na Operação Carne Fraca, da Polícia...


Censo 2020 terá informações específicas sobre quilombolas
Primeiros testes de questionário temático começam a ser feitos...


Pesquisadores brasileiros criam ‘biblioteca’ de ultrassons de morcegos com 65 espécies do país
Munidos de sofisticados equipamentos de gravação, pesquisadores de quatro universidades brasileiras compilaram os sons de alta frequência (ultrassons) emitidos por 65 espécies de oito das nove famílias de morcegos encontradas no país....


Ministério da Cultura se compromete a dialogar com povos tradicionais
O Ministério da Cultura (MinC) divulgou nota informando que os manifestantes que ocuparam o prédio nos últimos dias poderão enviar as demandas ao Grupo de Trabalho para formulação de programas e ações voltados à promoção do desenvolvimento das expr...

 

ADS NEWS 2

ADS NEWS 3


:: Publicidade :::


 
 
 
 
EMRONDONIA.COM