Rondônia, - 01:36

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
Internacional
MBL se arrepende de apoio a brasileiro preso na Venezuela
Publicado Sexta-Feira, 12 de Janeiro de 2018, às 10:34 | Fonte Revista Exame 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=341194&codDep=24" data-text="MBL se arrepende de apoio a brasileiro preso na Venezuela

  
 
 

Jonatan Diniz: ''Jonatan aparece na Califórnia, e sua postura arrogante e triunfalista se assemelha a de um psicopata'', diz o texto do MBL (Facebook/Reprodução)

 

O Movimento Brasil Livre (MBL) acusou o brasileiro Jonatan Moisés Diniz, preso durante 11 dias na Venezuela, de utilizar práticas desonestas semelhantes às do governo de Nicolás Maduro, a quem acusa de “levar as crianças venezuelanas à mais pura miséria”.

A crítica foi feita em nota na internet depois da divulgação do vídeo em que o catarinense revela ter premeditado sua detenção para chamar atenção para a causa defendida por sua ONG, a Time to Change the Earth (Hora de mudar a Terra, em tradução livre).

“Jonatan aparece na Califórnia, e sua postura arrogante e triunfalista se assemelha a de um psicopata”, diz o texto do MBL. “Percebe-se que Jonatan não sabe o que fala, tampouco o que faz. Que padece de um egoísmo doentio e, aparentemente, de profunda desonestidade”, acusa o Movimento.

Até o momento, a mensagem teve mais de 2,5 mil interações no Facebook, com a grande maioria dos internautas defendendo o MBL e criticando a tática adotada por Diniz. A reportagem pediu que Diniz comentasse as críticas do MBL, mas ainda não obteve retorno.

“O Movimento Brasil Livre – MBL – vem por meio desta pedir desculpas para seus seguidores por tê-los envolvido na campanha para libertar um charlatão desonesto que envergonha o País”, prossegue o grupo. “E lamenta, também, pelo incansável trabalho de seus ativistas que batalharam durante o Natal e o ano novo divulgando a arbitrariedade cometida pela ditadura de Maduro.”

Em outra publicação, do dia 3, o MBL tinha comparado o caso de Diniz com o do brasileiro Rodrigo Gularte, executado em abril de 2015 pela Indonésia depois de ser preso no país com seis quilos de cocaína. Na mensagem, o movimento alegou que o governo e a imprensa tinham se mobilizado no caso de Gularte, mas não tinham agido em relação à prisão Diniz.

Por fim, os ativistas dizem que apesar de o caso mostrar o que consideram “o que há de pior no ser humano”, também despertou “o que há de melhor em milhões de brasileiros”, ao se referirem à onda de solidariedade que a prisão de Diniz promoveu nas redes sociais.

 







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em INTERNACIONAL


Esta pode ser a casa mais cara que alguma vez esteve à venda
446 milhões de dólares (pouco mais de 380 milhões de euros) é quanto custa uma mansão numa zona privilegiada de Hong Kong...


Maior reserva de Moçambique perdeu 16 mil elefantes em sete anos
O abate ilegal de elefantes em Moçambique ascende a 16 mil animais mortos em sete anos, numa só reserva, Niassa, norte do país, segundo dados divulgados esta quarta-feira pelo diário O País....


TPI abre investigação preliminar sobre expulsão de rohingyas por Myanmar
Análise preliminar é a primeira etapa de um processo que poderá levar a uma investigação formal do tribunal sediado em Haia e, eventualmente, a acusações...


Crise dos opiáceos faz mais de 8.000 mortos em dois anos no Canadá
Crise dos opiáceos no Canadá é explicada, em parte, devido ao tráfico de fentanil, uma droga ilegal sintética importada da Ásia e que é considerada 30 a 50 vezes mais potente do que a heroína e 50 a 100 vezes mais potente do que a morfina...

 

ADS NEWS 2

ADS NEWS 3


:: Publicidade :::


 
 
 
 
EMRONDONIA.COM