Rondônia, - 17:16
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
Internacional
O livro de Clinton sobre as eleições chama-se O que aconteceu – e não é uma pergunta
Publicado Quarta-Feira, 13 de Setembro de 2017, às 11:29 | Fonte Público PT 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=335977&codDep=24" data-text="O livro de Clinton sobre as eleições chama-se O que aconteceu – e não é uma pergunta

  
 
 

 

Clinton diz que Sanders prejudicou-a junto dos mais progressistas ao ligá-la aos grandes interesses de Wall Street

Clinton diz que Sanders prejudicou-a junto dos mais progressistas ao ligá-la aos grandes interesses de Wall Street WIN MCNAMEE/EPA

 

 

 

 

 

 

A notícia de que Clinton ia lançar um livro cheio de "intriga, suspense e drama internacional nos mais altos corredores do poder" deixou em pulgas muitos leitores interessados em política americana. Mas o romance que está a ser escrito por Bill Clinton só vai ser publicado em Junho de 2018. Até lá, quem estiver interessado em perceber o que raio aconteceu no ano passado, quando Hillary Clinton foi empurrada para fora da corrida à Casa Branca por um brutamontes que pouco ou nada valia nas casas de apostas, já pode comprar What Happened – um livro de 500 páginas em que a ex-candidata democrata escreve quase tudo o que não quis dizer até agora sobre a derrota política mais surpreendente das últimas décadas.

Para evitar confusões, estamos a falar de dois livros diferentes: The President Is Missing(O Presidente está desaparecido) é o título de um romance que ainda está a ser escrito a meias entre o ex-Presidente Bill Cinton e a máquina de best sellers James Patterson, e que só vai ser lançado no próximo ano; What Happened (O que aconteceu) é um livro de não-ficção escrito por Hillary Clinton que foi lançado esta terça-feira.

É certo que alguns líderes do Partido Democrata dariam tudo para trocar os títulos dos dois livros, com uma pequena correcção num deles: afinal, O que aconteceu não é um mau título para um thriller, e A ex-candidata está desaparecida não é uma má ideia para que o Partido Democrata possa finalmente deixar o passado para trás e começar a criar uma alternativa credível e forte para tirar Donald Trump da Casa Branca em 2020.

Mas não foi isso que Hillary Clinton quis fazer com o seu futuro depois de ter sido derrotada pela segunda vez numa candidatura à presidência dos Estados Unidos.

Os primeiros sinais de que vinha aí um novo livro surgiram em Fevereiro, mas nessa altura pensava-se que as páginas seriam dedicadas a contar "histórias da sua vida, incluindo as suas experiências na campanha presidencial de 2016". Mas o que chegou esta semana às livrarias é precisamente o contrário: uma história sobre a campanha presidencial de 2016 que inclui algumas experiências da sua vida.

What Happened é um daqueles (poucos) livros que se criticam sem serem lidos. Pelo menos é isso que se depreende dos textos que têm sido publicados nos vários jornais e sites de informação nos EUA. Mais do que qualquer crítica ao valor literário e à fluidez da prosa, o tema comum à maioria desses textos pode ser resumido numa pergunta sobre a simples existência do livro: "Porquê?"

Um grito, mais do que uma explicação

Há dois problemas com o livro de Hillary Clinton: por um lado, a ex-candidata do Partido Democrata parece mais apostada em continuar a apontar o dedo em várias direcções; por outro lado, a publicação do livro surge numa altura complicada para um Partido Democrata que ainda está a tentar reerguer-se do fracasso de Novembro de 2016 e que preferia não voltar a ver no topo das notícias as discussões sobre esse fracasso – os mediamais conservadores, como a Fox News e a National Review, por exemplo, não perderam a oportunidade para voltar a lembrar os casos dos emails e da investigação do FBI e de retratar Hillary Clinton como uma má perdedora.

Hillary Clinton revela o seu objectivo logo na introdução do livro: "No passado, por razões que tento explicar, senti muitas vezes que tinha de ser cautelosa em situações públicas, como se estivesse a caminhar sobre um arame sem rede de segurança. Mas agora estou a baixar a minha guarda."

Em rigor, há uma passagem em que Hillary Clinton se penitencia pelos erros cometidos na campanha contra Donald Trump: "Assumo a responsabilidade por todos eles. Podemos culpar os dados, a mensagem, tudo o que quisermos – mas a candidata fui eu. A campanha era minha. As decisões foram minhas."

É difícil ser-se mais claro do que isto, mas mais difícil ainda seria escrever 500 páginas sobre uma campanha eleitoral agressiva como a do ano passado sem se acrescentar mais uns quantos parágrafos. E são esses parágrafos que estão a conquistar espaço nos títulos dos jornais: toda a responsabilidade que Hillary Clinton assume apenas e só para ela é também, de forma paradoxal, repartida por muita gente – nem Barack Obama escapa a um reparo.

"Por vezes questiono-me sobre o que teria acontecido se o presidente Obama tivesse feito uma comunicação ao país através da televisão no Outono de 2016 a alertar que a nossa democracia estava a ser atacada. Talvez mais americanos tivessem acordado a tempo para essa ameaça. Nunca saberemos", escreve Hillary Clinton.

Também o ex-vice-presidente Joe Biden merece uma palmada na mão, por ter dito que o Partido Democrata "não falou sobre aquilo que sempre representou" (ou seja, a defesa de uma classe média cada vez mais forte). "É uma afirmação notável, tendo em conta que o próprio Joe fez campanha por mim em todo o Midwest e falou muito sobre a classe média", critica a ex-candidata do Partido Democrata.

Mas a grande fatia do bolo de responsabilidades pela derrota é repartida por nomes que estão na lista vermelha desde a noite em que Donald Trump foi declarado vencedor: o ex-director do FBI James Comey; o senador Bernie Sanders; e o Presidente da Rússia, Vladimir Putin. E também os media no geral, com uma referência especial para o The New York Times.

Comey, Putin e o New York Times fazem parte da mesma acusação, em termos gerais: o primeiro porque resolveu investigar emails de Hillary Clinton a uma semana das eleiçõese anunciou um dia antes da votação que afinal não tinha encontrado nada de mal; o segundo porque roubou emails do Partido Democrata e do seu chefe de campanha, John Podesta; e o terceiro porque durante a campanha investigou mais o caso dos emails do que as possíveis ligações entre Donald Trump e a Rússia.

Ainda Bernie Sanders

Mas o ressentimento em relação ao seu principal opositor nas eleições primárias, Bernie Sanders, é evidente (acusa-o de ter manchado a sua imagem com golpes baixos sobre ligações a Wall Street) e está a ser visto como um sinal de que Hillary Clinton, afinal, ainda não percebeu bem o que aconteceu nas eleições do ano passado.

É verdade que a candidata teve mais quase três milhões de votos do que Donald Trump nas presidenciais, mas também é verdade que houve uma corrente antiglobalização e populista que dominou toda a campanha, corporizada por Trump e Sanders (cada um à sua maneira) e que marcou a diferença em relação à ala mais tradicionalista de Clinton. É como se Hillary Clinton tivesse feito a campanha no seu velho carro utilitário, com a bagageira cheia de mais do mesmo, sem nunca se ter apercebido de que estava a ser ultrapassada por um camião carregado de novidades.

Nas passagens que já se conhecem de What Happened surge uma Hillary Clinton irreconciliável consigo mesma – e, por isso, distante dos candidatos sem filtro que foram Donald Trump e Bernie Sanders. Isso mesmo fica patente na passagem em que Clinton fala sobre uma das declarações que mais a prejudicaram durante a campanha – quando chamou aos apoiantes de Donald Trump uma "cesta de deploráveis" (basket of deplorables no original), que a levou depois a fazer um pedido de desculpas embaraçoso.

"Estou arrependida de ter dado uma prenda ao Trump com o meu comentário sobre os 'deploráveis'. Mas muitos apoiantes do Trump têm mesmo opiniões que eu considero ser – e não há outra palavra para o descrever – deploráveis", escreve Hillary Clinton, revelando que, afinal, aquele pedido de desculpas foi apenas uma questão de cálculo político – um conceito que não deixou ninguém perto da Casa Branca no ano passado.

 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em INTERNACIONAL


França quer acabar com venda de veículos a gasolina ou diesel até 2040
...


Piloto que atacou Supremo da Venezuela diz que Maduro se mudou para unidade militar
...


Ataques aéreos mataram 69 na Síria desde domingo, dizem monitores
...


China envia navios de guerra para o Mar do Sul após ''provocação'' dos EUA
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::