Rondônia, - 17:20
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Educação
Educação
A alfabetização deixa marcas
Publicado Sábado, 9 de Setembro de 2017, às 11:05 | Fonte Veja.com 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=335700&codDep=59" data-text="A alfabetização deixa marcas

  
 
 

 

Mais da metade dos alunos brasileiros até oito anos tem baixos níveis de leitura e não consegue solucionar questões com números maiores que 20 ou ler as horas em um relógio de ponteiros.

É danoso ao cérebro e ao desenvolvimento atrasar o processo de alfabetização. (Joel Silva/Folhapress/VEJA/VEJA)

 

 

 

 

 

A alfabetização deixa marcas – é o que mostra um estudo publicado na Revista Científica Mind, Brain and Education, em junho deste ano, assinado por eminentes neurocientistas, entre eles Stanislas Dehaene, do Collège de France, e a brasileira Lucia W. Braga, do Hospital Sarah Kubitschek.

O estudo envolveu um adulto que estava internado no hospital Sarah Kubitschek e que foi submetido a um programa de alfabetização. Por meses, os neurocientistas procuraram as marcas esperadas no cérebro – já que sabemos que quando uma pessoa se alfabetiza, há uma ativação mais intensa da chamada área da forma visual da palavra, localizada no córtex esquerdo occipito-temporal. Até que, depois de 16 semanas de resultados frustrantes, o experiente Dehaene perguntou aos seus colegas brasileiros que método vinha sendo usado para alfabetizar. Diante da resposta – método global inspirado em Paulo Freire, associado com um método silábico –, Dehaene instruiu seus colegas a utilizar o método fônico. O resto da história está documentado no artigo – a ativação cerebral ocorreu da forma prevista rapidamente, nos locais previstos. A alfabetização realmente deixa marcas. Agora não dá mais para enganar.

Hoje, 8 de setembro, o mundo é convidado a celebrar o Dia Internacional da Alfabetização. Não há mais razão para tergiversar sobre três questões. Primeiro, é necessário e possível alfabetizar as crianças no primeiro ano do Ensino Fundamental. Segundo, é danoso ao cérebro e ao desenvolvimento atrasar o processo de alfabetização. Sempre é possível aprende a ler, mas havendo atraso, o processo é mais penoso e acarreta prejuízos que podem ser irrecuperáveis. Além disso, pode atrasar também o diagnóstico dos disléxicos. Terceiro, existem métodos comprovadamente mais eficazes para alfabetizar – e não há porque deixar de utilizá-los.

As autoridades brasileiras na área de educação poderiam aproveitar a oportunidade da elaboração da Base Nacional Comum Curricular para realizar um debate verdadeiro sobre alfabetização com quem conhece e estuda o assunto, tendo como referências as evidências científicas e as melhores práticas dos países onde a educação dá certo. A julgar pelo que temos visto até agora na condução da BNCC, ainda vamos amargar muitos anos de atraso nessa área.

 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Educação


Em que idade as crianças devem ser alfabetizadas?
...


Cai número de alunos na rede particular de ensino superior do país
...


Colaborar ou competir?
...


Aula de transparência
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::