Rondônia, - 09:32
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Artigos
opinião
Um mundo de fumantes
O mundo tem quase 1 bilhão de fumantes. O cigarro é a principal causa de morte precoce em mais de cem países.
Publicado Sábado, 22 de Abril de 2017, às 18:03 | Fonte Dr. Drauzio Varella 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=327122&codDep=33" data-text="Um mundo de fumantes

  
 
 

O mundo tem quase 1 bilhão de fumantes. O cigarro é a principal causa de morte precoce em mais de cem países.

Acaba de ser publicado na revista "The Lancet" o estudo mais completo sobre a prevalência mundial do fumo. Foram avaliados 2.818 bancos de dados existentes em 195 países, no período de 1990 a 2015. As principais conclusões são as seguintes:

1) No mundo inteiro, fumam diariamente 25% dos homens e 5,4% das mulheres.

2) Em relação a 1990, a porcentagem de fumantes na população caiu cerca de 18% nos homens e 34% nas mulheres. A queda foi mais acentuada no período de 1990 a 2005, do que nos dez anos seguintes.

3) Entre 2005 e 2015, essas porcentagens aumentaram apenas em quatro países: Congo e Azerbaijão para os homens, e Kuwait e Timor-Leste para as mulheres.

Editoria de Arte/Folhapress

4) Embora a prevalência tenha caído cerca de 30% entre 1990 e 2015, o crescimento populacional elevou o número total de fumantes de 870 milhões para 933 milhões, no mesmo período.

5) Apesar da redução da prevalência, a mortalidade aumentou 4,7%.

6) Em 2015, houve 6,4 milhões de mortes atribuíveis ao cigarro. Esse número corresponde a 11,5% do total de mortes no mundo. Metade delas ocorreu em quatro países: China, Índia, Estados Unidos e Rússia.

7) Em 1990, fumar estava entre as cinco principais causas de incapacitação para o trabalho em 88 países, número que aumentou para 109, em 2015.

8) Em 51 países a prevalência de homens fumantes ultrapassa a média global. A maioria está localizada na Europa Central e no Sudeste Asiático. No caso das mulheres, 70 países ultrapassam a média, a maioria no centro e no oeste europeu.

9) A prevalência de fumantes do sexo masculino é mais alta nos países de desenvolvimento socioeconômico intermediário. Entre as mulheres, é mais elevada nos países industrializados.

10) Sugere progresso sustentável no combate ao tabagismo no período estudado a redução anual do número de fumantes em 13 países: Austrália, Brasil, China, Dinamarca, Estados Unidos, Islândia, República Dominicana, Quênia, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Suécia e Suíça.

11) Em adolescentes do sexo masculino de 15 a 19 anos, a prevalência global de fumantes caiu de 16%, em 1990, para 10,6% em 2015. Nas adolescentes, a queda foi de 4,8% para 3%.

12) Em 2015, havia 22 países com prevalências mais altas do que 15% nas adolescentes, 18 deles no oeste e na região central da Europa. Dos 24 em que a prevalência nos adolescentes do sexo masculino fica acima de 20%, seis estão na Europa Central. Os demais se acham espalhados por várias regiões.

13) Desde 2005, somente três países obtiveram redução da prevalência em adolescentes de ambos os sexos: Estados Unidos, Islândia e Nova Zelândia.

14) Os dez países com maior número de fumantes respondem por 63% do total existente no mundo. Na China, na Índia e na Indonésia vive a metade dos homens fumantes do mundo.

15) Graças ao bombardeio das campanhas publicitárias, no Leste Europeu a prevalência entre as mulheres aumentou a partir de 1990 e se manteve em níveis altos entre os homens (chega a 60% na Ucrânia).

Segundo Emmanuela Gakidou que liderou o estudo, "o Brasil tem sido uma enorme história de sucesso". No período de 1990 a 2015, o país apresentou a terceira maior queda mundial na prevalência em ambos os sexos: 55%. Em 1990, cerca de 30% dos brasileiros com mais de 15 anos fumavam; hoje, são pouco mais de 10%.

A diminuição foi alcançada graças a um conjunto de políticas públicas: aumento de impostos, restrições à publicidade e ao fumo em lugares públicos, imagens expostas nos maços de cigarro e divulgação dos malefícios pelos meios de comunicação de massa.

Apesar da queda porcentual, ainda estamos entre os dez países com o maior número absoluto de fumantes, ao lado de China, Indonésia, Estados Unidos, Rússia, Bangladesh, Japão, Alemanha e Filipinas.

Em sua trajetória criminosa, a indústria do fumo se volta agora para os mercados emergentes dos países africanos situados abaixo do deserto do Saara, em que as leis de combate ao tabagismo são frouxas e onde faltam recursos para enfrentar o marketing milionário das companhias. 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Artigos


Confúcio Moura: Trabalho Informal
Ainda tem no Brasil e no mundo, milhões de cidadãos que trabalham e sobrevivem com serviços ditos informais. Aqueles pequenos serviços de consertos, de vendas de porta em porta, como camelôs que disputam palmos de calçadas ou em feiras livres, pre...


Blog do Confúcio: As soluções
Quanto mais se lê mais se descobre que é melhor não saber, porque a gente só discute e dá palpite até onde se conhece. Depois do que se conhece tem um muro e além dele só há escuridão....


Novos padrões da indústria da notícia
Uma das mais graves crises institucionais do Brasil, a que hoje estamos atravessando – está sendo acompanhada por uma imprensa diminuída, incapaz de explicar, até mesmo suas próprias deficiências....


O pesadelo da perda da Amazônia existe, e agora tem mapa, programa e justificativa
Quando alguém fala da pretensão de países do primeiro mundo através de causas ambientais em se apropriar da Amazônia é chamado de paranoico...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::