Rondônia, - 03:54
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - Rondônia
NEGÓCIOS
Comitiva boliviana conhece estrutura do Porto Organizado de Porto Velho em visita de caráter não oficial
A comitiva boliviana integrada pelo ministro da Defesa, Reymi Ferreira, e três assessores visitou na quinta-feira (13) as instalações do Porto Organizado de Porto Velho com o objetivo de conhecer melhor a capacidade de atendimento aos serviços de exportação e importação prestados.
Publicado Segunda-Feira, 17 de Abril de 2017, às 09:37 | Fonte Secom - Governo de RO 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=326503&codDep=34" data-text="Comitiva boliviana conhece estrutura do Porto Organizado de Porto Velho em visita de caráter não oficial

  
 
 

Ministro Reymi (2° à dir.) conheceu as instalações do porto na tarde de quinta-feira

 

A comitiva boliviana integrada pelo ministro da Defesa, Reymi Ferreira, e três assessores visitou na quinta-feira (13) as instalações do Porto Organizado de Porto Velho com o objetivo de conhecer melhor a capacidade de atendimento aos serviços de exportação e importação prestados. Administrado pela Sociedade de Portos e Hidrovias do Estado de Rondônia (Soph), o porto já está sendo utilizado para o envio de 100 a 150 contêineres por mês de produtos bolivianos, destacando-se a madeira e a castanha, a países da Europa.

 

“Este encaminhamento que estamos trabalhando entre Rondônia e Bolívia utilizando a estrutura do nosso porto público é fantástico, e a tendência é só crescer. Isso viabiliza um fluxo de matéria-prima de exportação, gerando cargas de navio, e eles vão poder importar por essa logística os fertilizantes que precisam em suas lavouras, que hoje entram pelos portos do Sul do País e até pela Argentina. Com essa rota, fica muito mais perto, e os cálculos são de que fica 50% mais barato o transporte”, disse o secretário de estado da Agricultura, Evandro Padovani.

 

O vice-governador Daniel Pereira, o secretário Padovani, o presidente da Soph Leudo Buriti, o professor Helder Hisler, secretário da Mesa de Irmandade Rondônia-Beni, empresários e outras autoridades acompanharam a comitiva boliviana, de caráter não oficial.

 

Segundo o vice-governador Daniel Pereira, o trabalho para que as mercadorias da Bolívia possam ser despachadas para a Europa pelo porto de Porto Velho começou no primeiro mandato do governador Confúcio Moura. As ações foram intensificadas em 2015 e 2016, ocorrendo, inclusive, a vinda dos embaixadores da Bolívia e do Brasil para a 2ª Reunião do Comitê de Integração Fronteiriça Guajará-Mirim/Guayaramerin, em Guajará-Mirim.

 

Com a rota até o porto de Porto Velho devidamente registrada na Receita Federal e com o porto alfandegado o envio de mercadorias para a Europa, Ásia e Estados Unidos tem tendência de crescimento, segundo Daniel Pereira.

 

“Só a castanha e a madeira de Riberalta e Guayaramerin (regiões da Bolívia) podem gerar 3.300 contêineres por ano em nosso porto. Isso praticamente dobra a mobilização de carga que temos hoje. E será só o começo. Estamos trabalhando para que as mercadorias do Departamento do Pando também venham para cá, região que exporta mais do que a vizinha Trinidad, e no futuro as mercadorias agrícolas de Santa Cruz, cuja produção é muito grande,” afirmou.

 

 

Dario Lopes disse que a rota perfeita para a Bolívia passa por aqui

Dario Lopes disse que a rota perfeita para a Bolívia passa por aqui

 

 

“As empresas que operam aqui já fizeram o registro de mercadorias saindo da Bolívia para a Europa. O difícil era registrar as primeiras cargas. Foram feitas, de madeira e também de castanha, e o custo operacional para a mercadoria boliviana passar pelo Brasil e ir para a Europa é metade do custo operacional que pagam para sair pelo território do Peru ou Chile. Ganham ainda uns 20 dias em todo o curso da mercadoria. Com essa redução de tempo, a mercadoria chega mais rápido e dá mais competitividade para os exportadores bolivianos”, destacou Daniel Pereira.

 

O empresário Dario Lopes, da BDX Florestas, que já utiliza o porto público de Porto Velho, lembra que a Bolívia não tem acesso ao mar, e em razão de alguns problemas com o Chile está sem acesso à Europa por meio dos portos daquele País.

 

“É vantajoso. Da Bolívia até nosso porto são pouco mais de 300 quilômetros, e até o Chile são 1.700 quilômetros, além de passar pelos Andes. A rota perfeita para a Bolívia é esta aqui, por Rondônia. Proporciona crescimento para a Bolívia, para a sua agricultura, e se torna também um caminho de mão dupla.  Nosso calcário, milho, peixe, frango e outros produtos necessários a eles poderão sair daqui”, disse Dario Lopes.

 

 

Fonte

Texto: Mara Paraguassu

Fotos: Esio Mendes

Secom - Governo de Rondônia

 





Notícia visualizada Contador de visitasvezes




Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em Rondônia


“Os jovens e adolescentes de Alto Paraíso têm nos impactado positivamente”, diz professor do Projeto Rondon
Os jovens e adolescentes de Alto Paraíso, a 206 quilômetros de Porto Velho, capital de Rondônia, têm impactado positivamente o grupo de quatro professores e vinte universitários do Projeto Rondon, que há uma semana está no município....


Técnicos da área de saúde começam na terça-feira debate sobre segurança do paciente do Hospital de Base de Porto Velho
Na próxima terça-feira (20), serão discutidos vários temas ligados ao Programa de Segurança do Paciente, implantado pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), no Hospital de Base Ary Pinheiro, em Porto Velho....


Governador Confúcio Moura fala da importância da Defensoria Pública durante posse de defensor público-geral
O defensor público-geral do estado de Rondônia, Marcus Edson de Lima, foi reconduzido ao cargo para o biênio 2017/2019, pelo Conselho Superior da Defensoria Pública....


Restaurante Prato Cheio usa produtos da agricultura familiar e realimenta a economia local
O Restaurante Comunitário Prato Cheio, inaugurado há um ano e 10 meses, no bairro Tancredo Neves, também alimenta a economia local por utilizar produtos da agricultura familiar....

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Parceiros :::