Rondônia, - 01:29
Últimas Política Amazônia Ciência e Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco
   

 

Você está no caderno - NACIONAL
Rondônia tem o 8º melhor salário das PMs
Rondônia tem o 8º melhor salário das PMs; Distrito Federal é o 1º
Boa parte dos Estados deu aumentos significativos às PMs nos últimos dez anos, quando unificou as gratificações em subsídios e instituiu reajustes escalonados.
Publicado Domingo, 12 de Fevereiro de 2017, às 20:03 | Fonte Folha de SP 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=321535&codDep=30" data-text="Rondônia tem o 8º melhor salário das PMs; Distrito Federal é o 1º

  
 
 

Foto:Marcelo Gladson

Governador de Rondônia

O cenário de perdas salariais, estopim do motim de policiais militares no Espírito Santo, é comum a outros Estados do país.

Levantamento da Folha em 19 unidades da federação mostra que o salário inicial da categoria aumentou nos últimos cinco anos, mas ficou abaixo da inflação em pelo menos oito delas, incluindo o Espírito Santo.

Mesmo onde houve um reajuste expressivo, a insatisfação dos policiais é latente, motivada pela falta de estrutura, discrepância de ganhos entre altas e baixas patentes e aumento de horas-extras.

"No geral, o salário é só a ponta do iceberg", diz Arthur Trindade Costa, professor da UnB (Universidade de Brasília) e membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Uma das principais queixas são as diferenças salariais dentro da corporação: os oficiais chegam a ganhar até cinco vezes mais que os praças, que atuam no policiamento ostensivo. "O militarismo é um sistema bom para deixar muitos ganhando pouco e poucos ganhando muito", diz Rafael Alcadipani, professor da FGV-SP.

 

 

Em tempos de crise econômica, a distorção fica ainda mais evidente, e se soma ao eventual sucateamento dos quarteis em alguns locais, à falta de equipamentos e à perda do poder de compra.

"Não é só um problema salarial; é estrutural", diz Orélio Fontana Neto, da Associação de Praças do Paraná.

No Rio, onde na última sexta-feira (10) houve protestos de mulheres de PMs em ao menos 27 dos 39 batalhões no Estado, o presidente da Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares, Vandrei Ribeiro, afirma que o policial fluminense "trabalha revoltado".

A remuneração de um soldado em início de carreira é de R$ 2.935 –29% a mais que o valor de cinco anos atrás, mas abaixo da inflação no período, de 34%.

 

arte estado

 

Além do salário, que considera baixo, Ribeiro aponta como os principais problemas da categoria a indefinição sobre a jornada de trabalho, que fica a cargo da chefia e não é definida em lei, a falta de acompanhamento psicológico e equipamentos em más condições: coletes que não são fiscalizados, viaturas que enguiçam, armas que falham na hora de usar.

No Espírito Santo, falta copo e papel higiênico nos quarteis, segundo relataram soldados do 1º Batalhão de Vitória à Folha. Um deles, soldado há oito anos, se vira com três cartões de crédito e 25 horas seguidas de trabalho –como policial e como segurança particular.

Outro cancelou o plano de saúde e tirou o filho de quatro anos da escola particular. "Se você encostar no armário da companhia, morre de tétano", disse, sob a condição de não revelar o nome, para evitar punições.

 

Boa parte dos Estados deu aumentos significativos às PMs nos últimos dez anos, quando unificou as gratificações em subsídios e instituiu reajustes escalonados.

No Rio Grande do Sul, o vencimento inicial de um soldado quase triplicou desde 2012. Em crise, o governo de José Ivo Sartori (PMDB) tem atrasado salários e diz que o aumento bilionário dado pelo antecessor, Tarso Genro (PT), ajudou a comprometer as finanças estaduais.

No outro extremo do país, no Rio Grande do Norte, a ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP) fez o mesmo, com reajuste para três anos consecutivos. O governo cumpriu a lei, mas pena para pagar em dia os salários dos servidores.

Os Estados resistem a novos reajustes. Afirmam que estão aumentando o efetivo e não têm dinheiro para tudo.

"A situação é apertada? É, sim, para todos os brasileiros", diz o secretário de Planejamento do Espírito Santo, Regis Mattos Teixeira, que classifica como "inaceitável" o reajuste reivindicado pelos policiais militares do Estado. "Quem paga o salário do policial não é o governo; é o cidadão. O dinheiro sai de algum lugar."

Para Costa, do Fórum Brasileiro de Segurança, há outras maneiras, além de aumentar o piso, para melhorar a condição de trabalho dos policiais -como, por exemplo, alterar o plano de carreira, prover equipamentos e viabilizar planos de saúde. Mas a falta de dinheiro é um problema real, afirma.

"As polícias são normalmente a primeira ou segunda folha de pagamento dos Estados. Qualquer 2% ou 3% pesa", diz ele, que já esteve à frente da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal.

 

Autor e fonte:


Folha de SP

LUIZA FRANCO
DO RIO
ESTELITA HASS CARAZZAI
DE CURITIBA
MARCELO TOLEDO
DE RIBEIRÃO PRETO
CAROLINA LINHARES
DA ENVIADA ESPECIAL A VITÓRIA (ES)








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Veja também em NACIONAL


Avião da FAB faz pouso forçado no Galeão
...


Noruega ameaça suspender completamente ajuda ambiental ao Brasil
...


Abdelmassih sai de hospital e cumpre pena em casa
...


Operação da polícia deixa um morto em comunidade da Zona Norte do Rio
...

 

::: Publicidade :::



:: Publicidade :::

 
350x90
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE