Rondônia, - 00:54
Últimas Política Amazônia Saúde Agronegócios Capital Interior
Tecnologia Religião Artigos Fotojornalismo Nacional Anuncie Fale Conosco

 

Você está no caderno - INTERNACIONAL
internacional
Atos contra alta da gasolina no México têm 6 mortos e 1.500 detidos
Publicado Sábado, 7 de Janeiro de 2017, às 06:14 | Fonte G1 - Da Agência Efe 0
http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=319582&codDep=24" data-text="Atos contra alta da gasolina no México têm 6 mortos e 1.500 detidos
  
 
 

 

Homem jaz morto em calçada em área que foi alvo de saques na cidade portuária de Veracruz, no México (Foto: Félix Márquez/AP)

 

 

Os distúrbios ligados a protestos contra o aumento do preço dos combustíveis no México, conhecidos como "gasolinazo", já deixaram seis mortos e mais de 1.500 detidos pelo país e continuaram nesta sexta-feira (6), embora com menor intensidade.

 

Diante das manifestações, saques, bloqueios de estradas e atos de violência, o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, apelou para a compreensão da população para a decisão de "optar pelo mal menor" e afirmou que o aumento do preço dos combustíveis foi "uma decisão difícil, impopular, mas necessária".

 

O preço da gasolina e do diesel subiu entre 14% e 20% desde que o governo de Peña Nieto desregulamentou os preços e decretou o reajuste a partir de 1º de janeiro - o que causou a ira dos mexicanos.

 

O sub-secretário de governo, René Juárez, afirmou que "mais de 1.500 pessoas" foram detidas por atos de vandalismo e que "a soma de esforços dos governos [federal, estadual e municipal] está permitindo conter os atos fora da lei".

 

Três pessoas foram mortas no estado de Veracruz, uma no estado de Hidalgo e outra -- um policial -- na capital Cidade do México (veja mais abaixo).

 

Série de protestos

 

Até o momento, o maior protesto foi registrado em Monterrey, capital do estado de Nuevo León, onde os distúrbios e saques a lojas registrados entre a noite de quinta e a madrugada de sexta deixaram 182 detidos, 15 feridos e 27 lojas saqueadas, segundo autoridades.

 

"O aumento da gasolina impactou e provocou um grande descontentamento", afirmou o governador de Nuevo León, Jaime Rodríguez Calderón, ao apresentar um balanço dos motins derivados dos protestos. O governador afirmou que não permitirá mais atos de vandalismo nem saques. "Todos aqueles que participaram dos saques vão ser perseguidos", afirmou Calderón.

 

Em Monterrey, várias manifestações convergiram para a frente do palácio de governo do estado, reunindo mais de 10 mil pessoas. Um grupo de jovens tentou entrar no prédio e foram impedidos pela polícia.

 

Isso fez com que os manifestantes jogassem pedras e outros objetos contra o prédio, quebrando seis grandes vitrais com figuras de heróis nacionais que datam do início do século XX. Policiais e manifestantes entraram em conflito.

 

Na quarta, mais de 160 pessoas foram detidas por "atos de vandalismo" durante protestos no estado do México, segundo o governo estadual. Shoppings e lojas da região foram saqueados pela população e a polícia não interveio, segundo moradores.

 

Estado de Veracruz

 

Em Allende, no estado de Veracuz, pessoas roubaram gasolina e diesel das bombas de um posto de combustível na terça, segundo a agência de notícias Associated Press, e intimidaram frentistas que desligaram a energia do posto para bloquear as bombas.

 

Forças federais foram enviadas a Veracruz e conseguiram conter nesta sexta os saques na principal região turística, onde os protestos contra o "gasolinazo" tinham aumentado nos últimos dias.

 

Os 250 homens da Polícia Federal e da Guarda Nacional e centenas de cidadãos e proprietários de lojas da área do porto de Veracruz e Boca del Río impediram que atos de vandalismo continuassem.

 

O governador de Vera Cruz, Miguel Ángel Yunes, visitou o Centro Comercial Las Brisas e entregou centenas de vales de 500 pesos (cerca de R$ 75) para mães de família, como tinha prometido na quinta, quando confrontou saqueadores e ofereceu os vales para tentar apaziguar a insatisfação.

 

Mortos

 

As autoridades confirmam a morte de três pessoas em Veracruz. Dois supostos saqueadores morreram por causa da violência e uma pessoa morreu e outra ficou gravemente ferida ao ser atropelada por uma caminhonete na qual supostos saqueadores fugiam da polícia.

 

No estado de Hidalgo, a Procuradoria de Justiça informou que dois manifestantes que bloqueavam a estrada México-Laredo morreram durante os confrontos com a polícia. Os agentes não conseguiram retirar os manifestantes e o bloqueio persiste.

 

Na quarta, um policial morreu e outros cinco ficaram feridos na Cidade do México, durante atos de vandalismo, segundo a Secretaria de Segurança Pública da capital.

 

Peña Nieto

 

Ao justificar o aumento dos preço, Peña Nieto afirmou que "às vezes é preciso optar pelo mal menor, e o que o governo decidiu privilegiar sobretudo as ações e políticas voltadas aos setores mais vulneráveis".

 

O presidente mexicano afirmou que "não é através do vandalismo nem do roubo que a realidade será alterada". "Devemos invocar a razão e entender, ou pelo menos escutar, as razões que levaram a esta decisão, para que nosso país, em unidade, possa enfrentar este desafio e outros que se vão vir ao longo do ano", pediu Peña Nieto aos mexicanos.

 








Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

 
 
Veja também em INTERNACIONAL


Cristina Kirchner depõe à Justiça argentina em processo de lavagem de dinheiro
...


Yellen conduz Fed com cautela, apesar de sinais de inflação
...


Turquia não aceita barganha sobre refugiados em acordo, diz premiê
...


Venezuela faz revisão de assinaturas para referendo contra Maduro
...

 









 
 
 
  EMRONDONIA.COM
FALE CONOSCO  |  ANUNCIE  |  EQUIPE  |  MIDIA KIT   |  POLÍTICA DE PRIVACIDADE