Rondônia, - 10:14

 

Você está no caderno - Artigos
por OSCAR PILAGALLO
A imprensa paulista de 1932 é precursora do PIG?
Artigo do jornalista Oscar Pilagallo, que escreveu a história dos meios de comunicação de São Paulo, revela que jornais se transformaram em trincheiras contra Getúlio
Publicado Domingo, 5 de Agosto de 2012, às 14:41 | Fonte por OSCAR PILAGALLO 0
https://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=284850&codDep=33" data-text="A imprensa paulista de 1932 é precursora do PIG?

  
 
 

A imprensa paulista de 1932 é precursora do PIG?

 

 247 – Desde que o deputado Fernando Ferro (PT-PE) criou a expressão “PIG – Partido da Imprensa Golpista”, inspirado numa declaração de Barack Obama sobre o canal Fox News, e o jornalista Paulo Henrique a amplificou, vários veículos de comunicação – inclusive o 247 – são frequentemente questionados por seus leitores. Afinal, são PIGs ou não? A reação veio com a sigla “JEG – Jornalistas da Esgotosfera Governista”.

No nosso caso, alegamos que é possível existir fora das órbitas PIG ou JEG. Mas o fato concreto é que, diante de governos trabalhistas, como de Getúlio Vargas e Lula, parte da imprensa toma posições contrárias. É o que demonstra, neste 9 de julho, data dos 80 anos da revolução frustrada de São Paulo, o jornalista Oscar Pilagallo, em interessante artigo na Folha de S.Paulo sobre o comportamento dos jornais paulistas, em 1932. Foram precursores do PIG?

A imprensa paulista fardada de 1932

Ela ignorou a superioridade das forças federais, fez campanha. Exceção, um jornal pró-Getúlio foi até destruído. Com a derrota de SP, jornalistas foram presos

Se nas guerras a primeira vítima costuma ser a verdade, na Revolução de 1932 não foi diferente.

O que foi diferente, isto sim, foi seu algoz. Em geral, a verdade sucumbe diante do conflito de versões dificilmente verificáveis pela imprensa. No caso da chamada Revolução Constitucionalista, no entanto, foi da própria imprensa que partiram os disparos que atingiram a verdade.

Não se trata da verdade abstrata, que resulta de convicções, de uma visão de mundo, de um entendimento particular sobre o lugar que São Paulo deveria ocupar naquela nova fase da República.

Trata-se, apenas, da verdade factual. Mal dado o primeiro tiro, em 9 de julho, as manchetes já tratavam o movimento como vitorioso, e com pouca variação mantiveram o mesmo tom até quase a derrota final, em outubro.

Nesse período, os jornais paulistas abriram mão de fazer jornalismo. Durante os três meses que duraram os combates, optaram por privilegiar uma campanha para elevar o moral da população e, sobretudo, das tropas.

Pouco interessava a informação objetiva da superioridade das forças federais, o fato incontestável de que tinham mais armas e eram mais bem treinadas.

No início, as conquistas pontuais dos soldados de São Paulo foram superestimadas. Mais tarde, os avanços das forças inimigas seriam minimizados.

Não é difícil entender por que a imprensa paulista agia assim. Se os jornais escolheram mobilizar em vez de informar, é porque haviam vestido farda bem antes da deflagração do conflito.

A revolução foi, em larga medida, articulada na sede do jornal mais importante da cidade na época, "O Estado de S. Paulo", então com mais de meio século de existência.

Toda a imprensa paulista, no entanto, logo aderiu à causa. O "Diário de S. Paulo" e o "Diário da Noite", ambos de Assis Chateaubriand, "A Gazeta", de Cásper Líbero, e a "Folha da Manhã" e a "Folha da Noite" (que em 1960 seriam fundidos na Folha de S.Paulo), todos eles se transformaram em trincheira.

Houve, efetivamente, um efêmero "Jornal das Trincheiras", com propaganda mais aberta, mas a diferença em relação aos demais jornais era mais de grau do que de natureza.

Também por um breve período circulou "O Separatista", cuja razão de ser estava expressa no próprio título. Embora não contasse com o endosso da maioria da imprensa, a ideia representava uma dissidência tolerada.

O que os jornais não podiam era ser contra São Paulo. Um jornal tenentista, que apoiava o governante então provisório, Getúlio Vargas, teve sua sede destruída pouco antes do 9 de julho.

O esforço jornalístico de guerra contou com a participação especial do rádio. Como veículo de comunicação de massa, o rádio é contemporâneo da Revolução de 32. Nasceu na Record, que embalava o suposto noticiário com uma marcha militar, a "Paris Belfort".

Não havia espaço para isenção. A imprensa paulista não apenas refletia os anseios da sociedade local. Também os insuflava, criando um círculo vicioso. Derrotadas as forças de São Paulo, jornalistas e donos de jornais foram presos e exilados. Do ponto de vista da história da imprensa, porém, a grande vítima foi a verdade.

OSCAR PILAGALLO, 56, jornalista, é autor de "História da Imprensa Paulista" (Três Estrelas)







Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

ADS NEWS 5

Veja também em Artigos


Os ventos estão soprando contra os políticos tradicionais
O exemplo de Rondônia Não se pode ignorar que o atraso piorou com o impacto da crise mundial detonada em 2008, a marolinha que virou.....


Votos nulos beneficiam siglas atoladas na Lava Jato
Uma análise feita pela equipe de pesquisa do instituto Data Folha precisa ser muito bem avaliada pela população que está com a.....


É possível um grande abraço de afogados por causa de canibalismo
O futuro da Zona Franca Há um debate que já deveria estar completamente vencido e outro que ainda precisa engrenar quando se trata de.....


Lamentamos o incêndio que destruiu parte da história do Brasil
As labaredas que destruíram o Museu Nacional no Rio e Janeiro, afetaram também o estado de Rondônia. Acontece que faziam parte do acervo.....

 

ADS NEWS 2

ADS NEWS 3


:: Publicidade :::


 
 
 
 
EMRONDONIA.COM