Representantes de diversos setores da sociedade debatem Zoneamento Socioeconômico e Ecológico do Vale do Jamari
As potencialidades, dificuldades e alternativas da região Vale do Jamari foram apresentados no sábado (18) pelos setores da sociedade aos técnicos responsáveis pela elaboração do documento de atualização da 2ª aproximação do Zoneamento Socioeconômico e Ecológico do Estado de Rondônia– ZSEE/RO.
Publicado Segunda-Feira, 20 de Março de 2017, às 15:36 | Secom - Governo de RO

 

Oficina aconteceu no sábado, em Ariquemes

Oficina aconteceu no sábado, em Ariquemes

 

As potencialidades, dificuldades e alternativas da região Vale do Jamari foram apresentados no sábado (18) pelos setores da sociedade aos técnicos responsáveis pela elaboração do documento de atualização da 2ª aproximação do Zoneamento Socioeconômico e Ecológico do Estado de Rondônia– ZSEE/RO. A oficina foi realizada durante todo o dia, na escola estadual Cora Coralina, no setor 5, em Ariquemes.

 

A oficina teve como objetivo colher informações junto aos setores da sociedade sobre atual realidade na região Vale do Jamari, relacionadas aos recursos naturais e aos aspectos socioeconômicos e cultural político para elaboração da proposta a ser apresentada durante audiência pública em Porto Velho, no mês de junho.

 

Dentre as potencialidades socioeconômicas do Vale do Jamari, a agropecuária, piscicultura, manejo florestal, produção de energia elétrica, turismo, indústria, comércio, associativismo e exposições agropecuárias foram exaltadas pelos grupos.

 

Foram diversas sugestões apresentadas, para suprir as problemáticas levantada durante a oficina, entre elas, a possibilidade de criar um centro de referência na área da saúde em Ariquemes, pela região ficar no centro entre Vilhena e Porto Velho; regularização fundiária, para acabar com os conflitos agrários e incentivo ao turismo, uma vez que o Estado tem fauna e flora atrativa.

 

O engenheiro ambiental Felipe Cordeiro, representante do grupo misto, defende a regularização de áreas de preservação e de degradação ambiental, desde que seja feita uma medida a corrigir os danos causados possibilitando a população envolvida uma atividade econômica com fins de recuperação ambiental, a exemplo dos consórcios agroflorestais. “Será mais fácil trabalhar e evitará possíveis problemas, otimizando o uso do espaço”.

 

 

Participantes ajudam no diagnóstico econômico e ambiental da região

 

 

Para o analista ambiental da Sedam, Vinicios José Dias, se todas as sugestões elencadas forem levadas em consideração na elaboração do documento, o desenvolvimento sustentável aplicado com todas as técnicas e Leis necessárias, será um celebre futuro no desenvolvimento do estado. “Essa ação de hoje é um passo importante para o desenvolvimento do nosso estado”.

 

Segundo o representante do grupo dos municípios, o técnico em agropecuária de Cujubim Janderson Jacomo Cechenel, a oficina dá um norte a seguir na área de desenvolvimento socioeconômico e ecológico regional. “Para o desenvolvimento de Cujubim, trabalhar área socioeconômica é fundamental, alinhamos uma na outra para ter resultados positivos, sem tirar a importância da área ecológica no aspecto que vivencia”, pontuou.

 

De acordo com o gerente da Sedam, Helio Gomes Oliveira, em vista da Lei nº 233 ser do ano der 2000, e o estado de Rondônia foi o primeiro estado brasileiro em 1988 em implantar o zoneamento socioeconômico e ecológico. Há uma necessidade de ocorrer estas atualizações para acompanhar o crescimento do estado, visto os anseios da população em conciliar o crescimento com desenvolvimento.

 

“A realidade da nossa região, tanto a populacional como econômica dos municípios, mudaram desde a última atualização ZSEE realizada em Rondônia, a exemplo do município de Buritis, que há 20 anos não passava de 10 mil habitantes e hoje ultrapassa a marca de 30 mil habitantes”.

 

As oficinas serão realizadas no período de março a maio, em oito municípios, considerados sedes de microrregiões do estado, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Além de Ariquemes e Guajará-Mirim, também receberão as oficinas os municípios de Ji-Paraná, Cacoal, Alta Floresta, São Francisco do Guaporé e Vilhena.

 

Programação das oficinas:

 

11 de março – Guajará-Mirim

 

18 de março – Ariquemes

 

25 de março – Ji-Paraná

 

15 de abril – Cacoal

 

29 de abril – Alta Floresta

 

20 de maio – São Francisco do Guaporé

 

27 de maio – Vilhena

 

Audiência pública

 

2 de junho – Porto Velho

 

 

 

 

Fonte

Texto: Suelly David

Fotos: Suelly David

Secom - Governo de Rondônia